Após oito meses, presídios de São Paulo retomam visitas presenciais neste sábado

Ponte Jornalismo
·3 minuto de leitura
Imagem da entrada da Penitenciária Feminina de Santana, na capital paulista | Foto: Daniel Arroyo/Ponte Jornalismo
Imagem da entrada da Penitenciária Feminina de Santana, na capital paulista | Foto: Daniel Arroyo/Ponte Jornalismo

Por Arthur Stabile

Os presos de São Paulo voltam a receber visitas no próximo sábado (8/10) e domingo (9/10), oito meses desde a proibição causada pela pandemia de coronavírus.

A SAP (Secretaria da Administração Penitenciária) de São Paulo, comandada neste governo João Doria pelo coronel Nivaldo Restivo, confirma a retomada. As visitas estavam proibidas desde março, início do isolamento social, por determinação da Justiça.

Leia mais na Ponte:

Em nota, a secretaria informa que a reabertura será gradual, com início para os pavilhões de números pares das unidades neste primeiro final de semana. Estão permitidas as entradas de visitantes entre 18 e 59 anos.

Entre as regras da visita está a proibição de contato físico, uma forma para diminuir as chances de propagação do coronavírus.

“Todos os visitantes deverão usar máscaras e, logo na entrada dos presídios, terão medidas a temperatura e saturação de oxigênio”, explica a pasta.

Não podem entrar nas penitenciárias idosos, crianças, grávidas e pessoas que apresentem sintomas de gripe. Também seguem suspensas as visitas íntimas.

Quem visitar precisa estar atento, pois será proibida a entrada de bolsas, mochilas e mesmo dos jumbos (sacola com comida, itens de higiene e roupas para os presos).

Há decisões judiciais impedindo as visitas em partes do estado, o que impede a reabertura completa. São 44 unidades fora da reabertura (veja todas no fim da reportagem).

Segundo a SAP, a Procuradoria Geral do Estado (PGE) atua para liberar a entrada de familiares em todos os presídios.

Uma familiar comemorou a retomada em conversa por WhatsApp com a Ponte. Apesar de só poder visitar o marido preso no próximo final de semana, ela não se conteve.

“Estou aliviada, a ansiedade está batendo forte. Não é meu fim de semana, mas alivia saber que poderei vê-lo”, conta a esposa de um detento que cumpre pena na região oeste do estado.

Segundo ela, a SAP não informou as famílias nem as unidades, conforme ligações que fez ao local em que seu companheiro está. “Não me confirmaram, soube pela imprensa”, diz. A notícia foi publicada no site da secretaria apenas após o contato da reportagem.

As unidades sem visitas são:

Penitenciária de Taquarituba
Penitenciária Franco da Rocha I, II e III
CPP de Franco da Rocha
CDP Feminino de Franco da Rocha
Penitenciária Feminina de Campinas
Penitenciária Capela do Alto
Penitenciária Casa Branca
Penitenciária Guareí I e II
Penitenciária Hortolândia II e III
Penitenciária Iperó
Penitenciária Itapetininga I e II
Penitenciária Itirapina I e II
Penitenciária Mairinque
Penitenciária Feminina de Mogi Guaçu
Penitenciária Piracicaba
Penitenciária Sorocaba I e II
Penitenciária Feminina de Votorantim
CDP Americana
CDP Campinas
CDP Capela do Alto
CDP Hortolândia
CDP Jundiaí
CDP Limeira
CDP Piracicaba
CDP Sorocaba
CPP Campinas
CPP Hortolândia
CPP Porto Feliz
Centro de Ressocialização Atibaia
Centro de Ressocialização Bragança Paulista
Centro de Ressocialização Itapetininga
Centro de Ressocialização Limeira
Centro de Ressocialização Mogi Mirim
Centro de Ressocialização Piracicaba
Centro de Ressocialização Rio Claro (Masculino e Feminino)
Centro de Ressocialização Sumaré