Após namorar mulher, Camila Pitanga não se vê bissexual: "Vivendo"

Camila Pitanga no
Camila Pitanga no "Quem Pode, Pod". Foto: Reprodução/Youtube

Resumo da notícia:

  • Após namorar mulher, Camila Pitanga não se considera bissexual

  • Atriz abriu o coração sobre sua visão de sexualidade

  • Ela ainda ressaltou que entende a importância política da autoafirmação

Ao relembrar de momentos polêmicos de sua vida pública, Camila Pitanga abriu o coração no "Quem Pode, Pod", de Giovanna Ewbank e Fernanda Paes Leme, sobre sua sexualidade. Durante a conversa, elas falaram sobre o namoro da atriz com Beatriz Coelho, que terminou em dezembro de 2020 após dois anos.

Camila desabafou sobre ter sido induzida a assumir o relacionamento publicamente, já que não costumava exibir seus namoros com homens também, mas viu a informação ser vazada na mídia:

"A gente vive ainda num país que tem dificuldade de entender que as pessoas possam ser livres e amar do jeito que quiserem. Diria que sempre fui uma heterossexual convicta. Não via essa possibilidade, não estava no meu radar", declarou. "Não como um problema, mas no desejo. Já tinha dado uns beijos, bi festinha, mas não era um desejo", completou.

Este conteúdo não está disponível devido às suas preferências de privacidade.
Para vê-los, atualize suas configurações aqui.

A atriz disse que viveu um dilema em entender a responsabilidade sobre se afirmar além da heterossexualidade. "Libido é algo em construção, não é algo que nasce com você, formatado, e acabou. Você pode se desenvolver para o lado que quiser. Acho que foi um lance de expansão. Primeiramente, de afeto, porque eu vivi um amor, e não uma sexualidade", afirmou. "Isso não era para ser uma missão, um panfleto. Claro que com a compreensão de que isso significava para muitas pessoas", acrescentou.

Na sequência, Camila confessou não se considerar bissexual atualmente mesmo após viver um relacionamento com outra mulher e namorar há mais de um ano com o filósofo Patrick Pessoa. "Se me cobrarem agora um nome, uma caixinha, eu não me daria nome como bissexual. Estou em movimento, estou vivendo. Mas, politicamente, entendo a importância de dizer isso. Minha libido é aberta, adoro gozar e não vou abrir mão da minha liberdade porque as pessoas estranham", concluiu.