Após morte de 10 crianças indígenas, ministério da Saúde envia equipes a Terra Yanomami, em Roraima

·1 minuto de leitura
RORAIMA, BRAZIL - JULY 01: (EDITORS NOTE: image contains nudity) A Yanomami indigenous looks on as arriving to receive health care during the Yanomami / Raposa Serra do Sol Mission amidst at the coronavirus (COVID-19) pandemic at the 4 Special Border Platoon in the city of Alto Alegre on July 01, 2020 in Roraima, Brazil. The mission involves several ministries and seeks to intensify indigenous health care and Covid-19 prevention. Brazil has over 1,402,000 confirmed positive of Coronavirus cases, with 147 among Yanomamis, and 59,594 deaths across the country and 4 among Yanomamis. (Photo by Andressa Anholete / Getty Images)
Terra Yanomami ficam no estado de Roraima e são de difícil acesso (Foto: Andressa Anholete / Getty Images)

Na última terça-feira, 2, o ministério da Saúde mandou equipes para a Terra Indígena Yanomami, em Roraima. A decisão foi tomada depois de uma semana da comunicação da morte de crianças indígenas com sintomas da covid-19.

Ao G1, Júnior Hekurari Yanomami, presidente do Conselho de Saúde Indígena Yanomami e Ye'kuanna, relatou que no último domingo, 31, morreu a décima criança na região, com sintomas do novo coronavírus. A vítima mais recente tinha 1 ano.

O ministério da Saúde foi informado da morte das crianças, todas entre um e cinco anos de idade. As vítimas teriam sentido dificuldade de respirar, além de febre. O ministério teria sido informado em 26 de janeiro sobre as mortes.

Leia também:

Júnior Hekurari Yanomami considera que a resposta foi tardia. “Demorou bastante. Desde o dia 26, uma semana. Essa demora levou mais uma vida, uma criança que morreu dois dias atrás no Taremou. Muitas crianças estão internadas e as comunidades que a gente não consegue chegar, eu não sei como estão. A demora e a burocracia estão matando o povo Yanomami”, disse ao G1.

Em nota, o Ministério da Saúde afirmou que equipes multidisciplinares de Saúde Indígena estão “colhendo relatos para a investigação dos óbitos das crianças Yanomami”. Além disso, foram levadas 800 doses de vacinas contra a covid-19 para imunizar indígenas com mais de 18 anos.

O Ministério ainda informou que pelo menos 25 crianças estão em estado grave, com sintomas similares aos do coronavírus. Faz dois meses que os postos de saúde na região estão fechados, porque não há helicópteros para enviar profissionais de saúde aos locais.