Após fugir de homofobia no "Pantanal", Zaquieu retorna e dá nova chance a peões

Zaquieu em
Zaquieu em "Pantanal" (Reprodução Globo)

Zaquieu (Silvero Pereira) foi embora do Pantanal após sofrer ataques homofóbicos dos peões, especialmente de Tadeu (José Loreto). O personagem viajou ao lado da patroa, Mariana (Selma Egrei), e tentou se adaptar ao local, mas não suportou a chacota e a masculinidade tóxicas dos peões de José Leôncio. Percebendo a gravidade do que aconteceu após uma conversa com Irma (Camila Morgado) e Mariana, José Leôncio (Marcos Palmeira) chamou os peões para uma conversa série sobre homofobia.

Com saudade de Mariana e desacostumado a morar sozinho na mansão no Rio de Janeiro, Zaquieu dará mais uma chance ao bioma e voltará para a fazenda. Mariana vai celebrar o retorno do amigo, e José Leôncio tentará pedir desculpas pelo que aconteceu.

"Eu não queria que você tivesse ido embora daqui daquela maneira. Vou te arrumar mais que um quarto, vou mandar armas uma roda de viola em sua homenagem", explica o fazendeiro, feliz em ter mais uma chance. Zaquieu ficará emocionado com o ato do fazendeiro e decidirá permanecer no Pantanal.

Entenda a cena

Inicialmente, José Leôncio não repreendeu seus funcionários e filhos machistas (Tadeu e José Lucas) pelos ataques contra Zaquieu, mas finalmente entendeu a gravidade do que aconteceu após ser interrogado por Irma (Camila Morgado) e Mariana. As duas se revoltaram com a partida de Zaquieu e cobraram mudanças por parte do latifundiário. "Acho frescura ele ter ido embora", diz José Leôncio. "O que fizeram com o Zaquieu se chama homofobia. E não é frescura ou brincadeira, apesar de ser tratada como tal. É crime, e está na lei", rebate Irma.

Incomodado, José Leôncio será obrigado a rever o próprio machismo, e chamará os peões para uma conversa ríspida, sem excluir os filhos da bronca. "O que aconteceu para ele ir embora desse jeito?", questiona o fazendeiro. Tadeu tenta fugir de qualquer tipo de responsabilidade, mas José Lucas admite: "Acho que foi ignorância da gente ter rido do jeito dele. "E daquele jeito, tinha como não rir? Nós só rimos do jeito esquisitinho dele. O senhor tinha que ver o pulinho que ele deu", dispara Tadeu. rindo.

Sem entrar no clima de deboche, Leôncio lembra da semana na qual Jove (Jesuíta Barbosa) chegou no Pantanal, e que seu filho sofreu machismo e violência nas mãos de Alcides (Juliano Cazarré). "Isso que vocês fizeram tem nome e não é piada. Chama homofobia, e é crime", explica. "Então vamos todos presos, a começar pelo senhor", rebate Tadeu.

"Pois é isso mesmo que deveria acontecer se esse país fosse sério. Comigo, com vocês e com todo mundo que ri do 'jeitinho dele'. Xadrez. Pelo que eu vi, de um a cinco anos. A verdade é que nascemos e crescemos rindo disso, achando que o que um sujeito fazia entre quatro paredes era prova de caráter. Mas acontece que não é. E já que estamos aqui, quero dizer que, de hoje em diante, quem fizer pouco caso de uma pessoa pelo motivo que for, pode juntar suas tralhas e seguir seu rumo", dispara José Leôncio, deixando os peões chocados. Tadeu questionará se o patriarca fará o mesmo com os filhos, e o fazendeiro não hesita: "Começando por vocês sim, que é para servir de exemplo. Ponto final".

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos