Após boicote em evento, grupo de lésbicas critica organização do 'MTV Miaw'

Foto: Reprodução/Youtube

A noite da última quarta-feira (3) não foi só de festa no Credicard Hall, em São Paulo, onde aconteceu a premiação do “MTV Miaw”. Na ocasião, o grupo Sapatour, formado por amigas lésbicas, criticou a organização do evento.

Já conhece o Instagram do Yahoo Vida e Estilo? Segue a gente!

Tudo começou quando as youtubers descobriram que não teriam acesso ao Pink Carpet, local reservado para os indicados aos prêmios serem fotografados e entrevistados pela imprensa. O Sapatour concorria na categoria “Aposta do Ano”.

“Todo mundo da nossa categoria dando entrevista pra um monte de lugar, fazendo fotos, filmagem e a gente na plateia sem poder ter acesso a NADA”, criticou Yasmin Akutsu, que faz parte do time.

Leia também

Ainda segundo ela, a organização do evento também pecou no local em que separou para as integrantes do canal assistirem aos shows, já que os concorrentes ficaram em uma área VIP.

“Todos os convidados com pulseiras rosa ou até superior e a gente tinha no máximo pulseira de ‘fumante’ porque era a pulseira que tinha acesso pra SAIR do local e nem fumante a gente é”, reclamou a jovem.

A notícia logo se espalhou nas redes sociais e fãs do Sapatour passaram a questionar a premiação. O youtuber Felipe Neto, que venceu na categoria “Youtuber do Ano”, defendeu as meninas e aproveitou para exigir um pronunciamento do canal.

Com o descaso, as integrantes do Sapatour deixaram o evento chateadas e saíram para comer pizza. Procuradas, as jovens não responderam até a publicação deste texto, mas a MTV rebateu as acusações.

“Por segurança e espaço da casa, é inviável receber todos os convidados e seus acompanhantes no backstage. Muitos talentos receberam convites para assistir à premiação na pista ou no andar superior. Não houve, por parte do canal, nenhum tipo de preconceito ou hostilidade, fato é que a MTV admira o trabalho do Sapatour e o indicou na categoria Aposta MIAW”, garante em nota.

O canal ainda explicou que o grupo apareceu nos Stories do Instagram e completou que a programação da emissora trata, de maneira direta ou indireta, de orientações sexuais e identidades de gênero em diferentes atrações.

Veja a revolta de Yasmin Akutsu no Instagram: