'Apologia do crime é a forma como o brasileiro vive', diz Emicida

·1 minuto de leitura
***FOTO DE ARQUIVO*** SÃO PAULO, SP, 25.10.2019 - O rapper Emicida em sua produtora, Laboratório Fantasma, em São Paulo. Emicida acaba de lançar seu terceiro disco de inéditas, “AmarElo”. (Foto: Karime Xavier/Folhapress)
***FOTO DE ARQUIVO*** SÃO PAULO, SP, 25.10.2019 - O rapper Emicida em sua produtora, Laboratório Fantasma, em São Paulo. Emicida acaba de lançar seu terceiro disco de inéditas, “AmarElo”. (Foto: Karime Xavier/Folhapress)

SÃO PAULO, SP (FOLHAPRESS) - Questionado se o rap é condescendente com o crime organizado, o rapper Emicida afirmou que "apologia do crime é a forma como o brasileiro vive" no programa Roda Viva nesta segunda-feira (27).

"Desde quando narrar uma determinada situação que está vinculada ao crime faz de você um apologista dessa situação? E se isso faz de você um apologista daquela situação, então você tem que começar a pegar o Datena, que faz isso todo dia na televisão", disse. "A música faz um retrato de onde as pessoas vivem."

O artista paulistano também falou sobre a pandemia de coronavírus no Brasil e os casos recentes de racismo e violência policial, como o do americano George Floyd, morto em uma ação da polícia que se tornou o propulsor de uma onda de protestos contra o racismo em todo o mundo.

"A gente precisa fazer com que a democracia no Brasil reconheça que ela é sabotada pelo racismo todos os dias", disse.

"É muito importante que a gente entenda como a nossa legislação, como nosso Judiciário, como nosso sistema, nosso convívio em sociedade, percebe as pessoas não brancas. Elas são consideradas pessoas que são protegidas pela democracia?", questionou.