Aparecida Vilaça e Silviano Santiago ganham o prêmio Casa de Las Americas

SÃO PAULO, SP (FOLHAPRESS) - A antropóloga Aparecida Vilaça e o crítico literário Silviano Santiago venceram nesta quinta-feira (26) o prêmio Casa de Las Americas. Vilaça ganhou pelo livro "Paletó e Eu - Memórias de Meu Pai Indígena". Já Santiago, por "Uma Literatura nos Trópicos".

Um dos principais troféus literários da América Latina, o Casa de Las Américas tem uma categoria específica para literatura brasileira, na qual já foram premiados nomes como Ana Maria Gonçalves, Alberto Mussa, Luiz Ruffato e Nélida Piñon.

Foi essa a categoria na qual Vilaça venceu. "Paletó e Eu", publicado pela editora Todavia, gira em torno da relação entre a autora e Watakao, indígena wari, que morreu em 2017, aos 85 anos. Convertido ao cristianismo, ele era chamado de Paletó porque se apegou a um paletó que vestia sempre.

A antropóloga conviveu com Paletó por diferentes períodos, morando entre os waris, em aldeias em Rondônia, desde 1986.

"Eu tinha feito muitas entrevistas com o Paletó e tinha um plano antigo de escrever sobre a vida dele. Comecei a escrever quando ele morreu, foi uma forma de desabafar. Escrevi muito rápido, em média levo dez anos para escrever um livro", disse Vilaça em entrevista ao jornal Folha de S.Paulo no ano passado.

Na última Flip, Vilaça descreveu Paletó como "um grande parceiro intelectual na minha descoberta da vida dos waris e na minha redescoberta da vida na cidade: e me questionou sobre coisas do meu mundo em que eu jamais tinha pensado".

Fizeram parte do juri que premiou Vilaça Flávio Carneiro, Manuela D'Ávila e Pedro Meira Monteiro.

Além da antropóloga, Silviano Santiago também foi premiado e ganhou o troféu na categoria de ensaios. "Uma Literatura nos Trópicos", livro de 1979 que teve uma reedição pela Cepe Editora, foi escolhido vencedor por "por constituir uma exemplar seleção de uma obra tão ambiciosa quanto iluminadora".

No título, Santiago analisa autores como José de Alencar, Carlos Drummond de Andrade, Caetano Veloso e Sérgio Sant'Anna.

O Casa de Las Americas completou 60 anos em 2020. Além de Vilaça, autores de Cuba, México, Porto Rico, Martinica, Guatemala, Argentina e Chile também foram laureados.