Após 'Superman', Henry Cavill é bruxo em série da Netflix

BEATRIZ VILANOVA

SÃO PAULO, SP (FOLHAPRESS) - Conhecido por interpretar o herói ficcional Superman nos cinemas, Henry Cavill, 36, foi recebido aos gritos pelos brasileiros no início deste mês, quando veio a São Paulo de surpresa para participar da CCXP 2019.

A vinda do ator não foi sem motivo: novo protagonista da série "The Witcher", que estreia nesta sexta-feira (20) na Netflix, ele viajou a convite da plataforma de streaming para falar sobre a produção, junto à produtora Lauren Schmidt Hissrich.

Em conversa com a imprensa, Cavill afirmou que já era fã da sequência de livros que serviu de base para a série homônima, bem como do game inspirado nela, "The Witcher 3". A história gira em torno de um dos últimos bruxos do Planeta Geralt e suas aventuras como um caçador de monstros solitário.

"Ele é essencialmente bom", diz o ator sobre seu personagem, que ele caracteriza como "muito interessante". "Todos são heróis nessa história [...] Foi muito fácil para mim me transportar para esse lugar."

Inserido em um mundo de fantasia, especialmente por sua trajetória como personagem na DC, Cavill diz que foi um prazer participar da nova série, assim como ainda gostaria de interpretar diversos outros personagens do universo fantástico. 

"Não sei se foi eu que aceitei [participar da série]. Acho que eles que me aceitaram", brinca. "Foram vários motivos [que me fizeram querer participar]. Sou fã de 'The Witcher', e tenho vivido na fantasia desde pequeno [...] Este é um sonho se tornando realidade."

Hissrich adianta que a nova série "terá um pouco de tudo": "Têm aventura, romance... [...] É por isso que escolhemos fazê-la". Ela também diz que costuma ser questionada sobre se a produção se baseia em seu cunho político.

"Não é, porque 'The Witcher' não se passa na América de 2019. [...] Dito isso, qualquer um que tenha lido os livros sabe que é um mundo bastante politizado. É uma história de um monte de pessoas que estão vivendo em uma época e em um lugar realmente muito difíceis, e lutando para que se sintam pertencendo. E isso me faz querer que as pessoas que assistam comecem a ter empatia por eles."

Com gravações em diferentes lugares da Europa, mas especialmente em Budapeste, Cavill afirma que chegou a ficar "fisicamente exausto", mas que não vê a hora de a produção estrear. Um segundo ano da série já está confirmado para 2021, e terá oito episódios, assim como a primeira temporada.

Hissrich diz que a continuação começa a ser produzida no segundo trimestre de 2020, e se sente ansiosa para isso. "É muito legal porque a primeira temporada passa por um período difícil muito rapidamente. A história fica mais centrada na temporada dois. Temos mais personagens interagindo entre si, novos relacionamentos, e foi muito feliz escrever isso."