Após Pato apoiar Bolsonaro, Rivaldo e outros atletas movimentam web com mensagens políticas


O cenário político brasileiro borbulhou na última semana depois que o ministro Celso de Mello, do Supremo Tribunal Federal, divulgar o vídeo da reunião ministerial do dia 22 de abril, na última sexta-feira. No mesmo dia, o atacante Alexandre Pato escreveu um dos slogans do presidente Jair Bolsonaro em sua conta no Twitter.

Embora Palmeiras e São Paulo sejam adversários dentro dos gramados, foi a vez do volante Felipe Melo, do Verdão, demonstrar seu apoio ao colega tricolor. Felipe repetiu o lema "Deus acima de tudo; Deus acima de todos", citado por Pato. O jogador do Alviverde já se manifestou favorável ao presidente antes das eleições presidenciais em 2018.

Nesta sábado, o pentacampeão do mundo Rivaldo usou o Instagram para agradecer o ex-ministro Sérgio Moro por entregar o cargo e falou até em reeleição do atual presidente.

- Venho aqui agradecer ao ex ministro pela sua demissão. Com a saída dele muita coisa aconteceu que ninguém ficou feliz. Até eu fiquei triste pela saída dele, mas depois do vídeo que eu assisti da reunião do dia 22 de abril sobre o que o presidente falou, estou vendo que Deus usou essa saída do ex ministro para reeleger novamente o nosso presidente Jair Bolsonaro em 2022. O Brasil agradece. Deus é fiel sempre - publicou o ex-jogador.

Quem também se manifestou sobre a reunião que teve a privacidade quebrada pelo ministro do STF foi Susana Werner, esposa do ex-goleiro Júlio César. Ela usou seus stories, no Instagram, para declarar contentamento com as palavras ditas pelo presidente da República.

- Vi um presidente indignado com tudo o que tem de errado. Virei fã! "Bolsominia" assumida - disse ela, em vídeo. Na sequência, a esposa de Júlio também se desculpou com Jair Bolsonaro por ter ido passear em um shopping de Brasília e ter se recusado a conhecer a família do presidente


Julio Cesar / Susana Werner

Júlio Cesar e sua companheira Susana (Divulgação)

No dia 15 de maio, o "UOL" revelou uma entrevista com o ex-jogador de basquete, e um dos grandes nomes do esporte brasileiro, Oscar Schmidt. Além de conversar sobre a recuperação de um câncer contra qual Oscar já briga há alguns anos, ele contou estar desgostoso com o representante do país.

- Eu votei no Bolsonaro, tinha um otimismo danado nele, muito mais que a maioria das pessoas. Mas, todos os dias o cara dá chance pro azar. Eu achei que seria diferente. Confiei e me arrependi. Ele tem mostrado ser outra pessoa, com um despreparo danado para ocupar um posto tão importante. É muito triste durante uma pandemia a gente ainda ter que se preocupar com política. Esse vírus não tem partido, ele pode matar qualquer um. E pra quem ainda chama isso de gripezinha, isso me deixa louco - disse ele, aos 62 anos.

Vale lembrar que, ainda neste mês, Caio Ribeiro e Walter Casagrande discordaram publicamente sobre esportistas declararem seus posicionamentos políticos. Para Caio, os atletas e dirigentes devem preservar as instituições que defendem. O debate empolgou os torcedores nas redes sociais. Segundo o ex-atacante Walter Casagrande, todos têm direito à liberdade de expressão.