• Opa!
    Algo deu errado.
    Tente novamente mais tarde.
  • Opa!
    Algo deu errado.
    Tente novamente mais tarde.

Após morte de Paulo Gustavo, Fátima Bernardes se revolta: "Não adianta chorar e fazer festa, aglomerar"

Neste artigo:
  • Opa!
    Algo deu errado.
    Tente novamente mais tarde.
  • Opa!
    Algo deu errado.
    Tente novamente mais tarde.

Durante o 'Encontro' desta quarta-feira (05), Fátima Bernardes se emocionou ao falar da morte de Paulo Gustavo, que faleceu aos 42 anos após dois meses internado com um caso grave da Covid-19.

A apresentadora se revoltou ao falar da falta de um plano de governo firme para lidar com a pandemia, e criticou a hipocrisia de parte da população que continua aglomerando e frequentando festas durante o pior momento da doença no Brasil. A Covid-19 já matou mais de 412 mil pessoas, com média móvel de mais de 3 mil mortes diárias.

Leia também

"Quando a perda é próxima, reacende a dor de todas as outras mortes. Hoje é um dia de luto por ele, mas por todos os outros que se foram por essa doença terrível, e pela forma como a doença vem sendo administrada no Brasil. Dói muito saber que essas mortes poderiam ser evitadas. Cadê a vacina, o uso de máscara, o respeito ao distanciamento, cadê uma campanha forte e firme de alerta para a população? Paulo tinha só 42 anos e uma família linda, e se foi, mesmo sem comorbidades", lamentou Fátima, tentando segurar as lágrimas.

"Não adianta hoje você chorar pelo Paulo Gustavo e ir pra rua semm máscara, aglomerar desnecessariamente. Não estamos falando de gente que sai para trabalhar, e sim para pessoas que estão indo para festas clandestinas. Isso é crime. Você está colaborando para esse número subir, o que falta acontecer?", criticou a apresentadora.

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos