Aos 72, Nívea Maria diz que triângulo amoroso em 'A Dona do Pedaço' faz mostrar seu lado sensual

CRIS VERONEZ
***ARQUIVO 16.01.2014*** SÃO PAULO, SP, 16.01.2014 - A atriz Nívea Maria, no teatro Shopping Frei Caneca. (Foto: Adriana Spaca/Brazil Photo Press/Folhapress)

RIO DE JANEIRO, RJ (FOLHAPRESS) - O triângulo amoroso entre Marlene (Sueli Franco), Antero (Ary Fontoura) e Evelina (Nívea Maria), em "A Dona do Pedaço" (Globo), veio para quebrar tabus.

Marlene sofre por Antero, com direito a choros aflitos em meio a lembranças de tudo o que viveu na companhia do amado. O advogado, com a memória prejudicada após sofrer um AVC (acidente vascular cerebral), vive um romance "por engano" com Evelina, acreditando que ela é o amor de sua vida.

Entusiasmada com a relação, a mãe de Maria da Paz (Juliana Paes) faz de tudo para que Antero não se lembre que sua verdadeira paixão é a professora aposentada. "Quando você descobre que está sendo interessante para outra pessoa, é claro que seu ego infla. É o que acontece com Evelina. De repente o Antero despertou, dentro da confusão mental que ele está vivendo, um lado ainda vivo e saudável da afetividade dela", diz Nívea Maria sobre sua personagem. 

A atriz de 72 anos afirma estar feliz em participar de um triângulo amoroso dentro da trama de Walcyr Carrasco. Ela ressalta que a libido faz parte da vida de todos os seres humanos, em qualquer idade, e que os mais velhos podem exercitar sua afetividade com ou sem relações sexuais.

"Sexo hoje em dia é algo muito complexo para a gente conversar. As pessoas realmente tem reservas, criticam algumas coisas, em todos os sentidos, desde a escolha do gênero com o qual você vai se relacionar até o próprio comportamento sexual", pontua a atriz.

Discreta quanto a sua vida pessoal, Nívea Maria afirma que Evelina lhe oferece a oportunidade de explorar outras facetas na TV. "Como pessoa, como mulher e figura pública há tantos anos, nunca expus muito a minha vida particular, mas vou ter oportunidade de mostrar para vocês que tenho meu lado sensual, charmoso e gracioso."

Esta é a segunda vez que Nívea Maria e Juliana Paes interpretam mãe e filha em uma novela. Dez anos atrás, elas deram vida a Kochi e Maya, respectivamente, em "Caminho das Índias". A matriarca da ficção exalta a parceria entre ambas.

"Cada vez estamos mais unidas. Cada uma com sua história de vida, crescendo e amadurecendo. Mesmo com 72 anos, sempre amadureço um pouco mais a cada dia. Tenho ainda um lado ingênuo e, talvez por isso, ainda seja uma pessoa positiva e esperançosa com as coisas. Acredito no ser humano. E eu também vejo isso na Juliana. Ela tem uma energia diante das coisas, dos problemas. Mulher, empresária, atriz e mãe... Eu me vejo na Ju quando eu tinha a idade dela."