“ANTI”, álbum da Rihanna, completa cinco anos de saudades hoje

Catharina Dourado
·3 minuto de leitura
A era sucedeu “Unapologetic” (2012) e teve início com o single “Work” (Christopher Polk / Getty Images)
LOS ANGELES, CA - OCTOBER 07: Singer Rihanna at Rihanna's 8th album artwork reveal for "ANTI" at MAMA Gallery on October 7, 2015 in Los Angeles, California. (Photo by Christopher Polk/Getty Images for WESTBURY ROAD ENTERTAINMENT LLC)

Hoje, 28 de janeiro, é aniversário de “ANTI”. O álbum chegou ao mundo nesta mesma data, em 2016. Emplacou hits, vendeu mais de seis milhões de cópias e se consagrou como o último trabalho musical lançado pela Rihanna. Em outras palavras, são cinco anos de saudade da cantora.

Com fortes influências pop e R&B, a era “ANTI” sucedeu o disco “Unapologetic” (2012) e teve início com o single “Work”. A música contou com a participação do rapper canadense Drake, com quem Rihanna dividiu os vocais, a composição e o clipe.

A parceria entre os dois deu o que falar nos últimos anos: gerou rumores de namoro, depois declarações de amor de Drake em pleno Video Music Awards (VMA) 2016, fim de amizade e mais fofocas. Pelo menos a colaboração musical deu certo e “Work” já ultrapassou 900 milhões de reproduções no Spotify.

A terceira faixa do disco, “Kiss It Better”, também foi single. A música lembra aquelas programações românticas das rádios nos anos de 1990 e tem riff de guitarra do português Nuno Bettencourt, da banda Extreme. Em preto e branco, o clipe mostra Rihanna apenas cantando e dançando. Simples, mas sensual. E a música, bem, uma das mais sexy da história do pop. Concorda?

Com batida forte e lenta ao mesmo tempo, “Needed Me” foi o terceiro single do ANTI e ganhou um clipe em que Riri é uma mulher poderosa com sede de vingança. Armada, ela circula entre uma mansão e um clube de strippers à procura de um homem. Ao encontrá-lo, dispara. Man down, sim!

“Love on the Brain” também foi confirmada como single na época, caiu no gosto das rádios e alcançou o top 10 na Hot 100 da Billboard. A canção nunca ganhou um clipe, o que decepcionou muitos fãs. Para compensar, Rihanna entregou performances potentes, como a do Global Citizen Festival, em 2016. Vocal, querida! Ela tem, sim.

A era ainda rendeu a ANTI World Tour, que teve início em março de 2016 e seguiu até novembro do mesmo ano. Os shows começaram em Jacksonville, nos Estados Unidos, e depois a cantora seguiu para outras cidades estadunidenses. A turnê também passou pela Europa e pelos Emirados Árabes.

Depois do ANTI, Rihanna decidiu dar um tempo em seus trabalhos musicais. Nos últimos anos, fundou a marca de cosméticos Fenty Beauty e lançou Savage X Fenty Show no Amazon Prime Video. Muitos fãs já perguntaram sobre o próximo álbum, mas a cantora não dá muitos detalhes. Ao invés disso, prefere brincar: “esse comentário é tão 2019“.

Mas tudo indica que o “R9” está em desenvolvimento. Em entrevista para Vogue em março do ano passado, a cantora disse que “não há regras. Não há formato. Há apenas música boa e, se eu sinto, estou lançando”. Pois volte logo, Riri!