Anthony Hopkins supera Chadwick Boseman e vence Oscar por 'Meu Pai'

·1 minuto de leitura

SÃO PAULO, SP (FOLHAPRESS) - O britânico Anthony Hopkins venceu o troféu de melhor ator no Oscar por "Meu Pai", de Florian Zeller, superando o favorito Chadwick Boseman, que estava cotado ao prêmio póstumo por "A Voz Suprema do Blues". Esta é a segunda vez que Hopkins ganha o prêmio. Em 1992, ele levou o Oscar por um de seus trabalhos mais memoráveis, "O Silêncio dos Inocentes", de Jonathan Demme, no qual viveu o icônico personagem Hannibal Lecter. Aos 83 anos, o lendário ator britânico se tornou a pessoa mais velha a receber um Oscar de atuação, superando Christopher Plummer, vencedor como melhor ator coadjuvante por "Toda Forma de Amor". Hopkins, que não compareceu à cerimônia, se consagra pelo papel de Anthony, um idoso que lida com o avanço da demência, entrando em progressiva confusão com sua casa, sua filha e sua própria identidade. Zeller, que venceu também melhor roteiro adaptado pelo filme, em parceria com Christopher Hampton, celebrou em seu discurso poder contar com o veterano para o papel. Hopkins já foi indicado outras quatro vezes na cerimônia. Concorreu a melhor ator coadjuvante por "Dois Papas", de Fernando Meirelles, no ano passado e "Amistad", de Steven Spielberg, em 1998; e melhor ator por "Nixon", de Oliver Stone, em 1996, e "Vestígios do Dia", de James Ivory, em 1994.