Ansiedade pode causar diarreia? Sim, e muito mais

Ansiedade e seus efeitos colaterais (Foto: Getty Images)

Por Ava Freitas

"Já tive de pedir para o motorista de um ônibus intermunicipal – em um trajeto curto, sem paradas – estacionar no meio da estrada para eu correr para o banheiro", conta a publicitária G., 30 anos, que por motivos óbvios prefere não se identificar. O motivo da diarreia nada tinha a ver com comida estragada e, sim, com a ansiedade.

Já conhece o Instagram do Yahoo Vida e Estilo? Siga a gente!

"A ansiedade está muito relacionada a problemas do aparelho digestivo como um todo, desde a boca até o funcionamento intestinal", afirma a cirurgiã Vanessa Prado, médica do Centro de Especialidades do Aparelho Digestivo do Hospital 9 de Julho, em São Paulo, e membro da Sociedade Brasileira de Cirurgia do Aparelho Digestivo.

Leia também

Não se trata daquela emoção diante da iminência de uma planejada viagem ou da entrega de um trabalho importante. Esse tipo de ansiedade é natural e faz parte da vida de todo mundo. O problema é quando ela passa a interferir na qualidade de vida do indivíduo.

Cocô sem controle

Depois de vários episódios tão embaraçosos como esse do ônibus, G. resolveu se consultar com um gastroenterologista. O especialista a diagnosticou com Síndrome do Intestino Irritável.

"A pessoa com a síndrome intercala episódios de diarreia com outros de intestino mais preso. Ela tem cólicas, fezes explosivas e sofre de urgência para ir ao banheiro. O indivíduo pode nem conseguir segurar a vontade de fazer cocô. E uma das causas da doença é a ansiedade", explica a cirurgiã.

Segundo a especialista, a ansiedade provoca uma alteração do peristaltismo (contrações) intestinal, provocando todos esses sintomas. "Além de tratar a síndrome, preciso dar um remédio também para controlar a ansiedade."

Compulsão e outros males

Os efeitos da ansiedade sobre o aparelho digestivo vão além da Síndrome do Intestino Irritável. Vanessa Prado diz que, muitas vezes, ela gera compulsão alimentar. A pessoa come sem ter fome e faz escolhas equivocadas em relação à qualidade do alimento. Daí surgem outras consequências como gastrite e esofagite.

Como a ansiedade é o pano de fundo de todos esses males, a psicóloga Marina Vasconcellos diz que é preciso tratá-la aliando terapia e, dependendo do seu grau, medicação prescrita por um psiquiatra. "A pessoa precisa entender o que a faz ficar ansiosa", fala ela.

Marina ainda recomenda que o paciente invista em outras duas frentes para controlar a ansiedade: exercício físico – preferencialmente os aeróbicos – e meditação. "Meditar acalma a mente, cujo efeito é cientificamente comprovado", finaliza Marina.