Anitta debate consumo consciente de carne: "O peido da vaca é muito poluente"

A cantora Anitta e o deputado Alessandro Molon. Fotos: reprodução/YouTube

Cada vez mais engajada em discussões públicas sobre política, Anitta defendeu o consumo de carne em um debate recente com o deputado federal Alessandro Molon. Na discussão sobre a Medida Provisória nº 910, conhecida como a “MP da Grilagem”, a cantora abordou os impactos da produção agropecuária para o meio ambiente. Além disso, levantou uma questão curiosa sobre a contribuição dos gases emitidos pelos bovinos para o aumento do efeito estufa.

Baixe o app do Yahoo Mail em menos de 1 minuto e receba todos os seus e-mails em um só lugar

Siga o Yahoo Vida e Estilo no Google News

Siga o Yahoo Vida e Estilo no InstagramFacebook e Twitter, e aproveite para se logar e deixar aqui abaixo o seu comentários

“Hoje, no Brasil, existe mais vaca do que gente. Eu estava estudando isso hoje para poder me meter no assunto e eu vi que existe mais cabeça de gado do que cabeça de pessoa. E aí a gente vê como o nosso consumismo está sendo exagerado e desnecessário. Tem churrascarias, restaurantes, tudo o que a gente tem é oferecido de maneira exagerada”, comentou a artista.

Leia também:

Em seguida, ela comentou que se aprofundou no assunto e se sentiu motivada a mudar sua alimentação. “Para quem não sabe, essa parte eu estudei, e vou falar de maneira bem simples, tá? O peido de uma vaca ele é muito poluente pro nosso ar. A cada vaquinha que tá aí, soltando seus gases, é um dano pro meio ambiente gigantesco. Por isso eu diminuí [o consumo de carne]”, explicou.

Anitta disse, ainda, que seu novo estilo de vida - que não é “100% vegano” - poderia ser uma alternativa mais saudável para a população. Segundo ela, a indústria da carne deveria ser mais taxada, como forma de incentivar novos hábitos para a sociedade em geral.

“Para se criar a quantidade de cabeças de gado, se gasta uma quantidade de água, que se as empresas estivessem pagando a água no valor que deve ser paga, a carne não seria nesse valor, seria muito mais cara. E a gente não teria o estímulo tão grande na agropecuária como tem hoje. Teria estímulo para produzir coisas da terra”, analisou.

Sem entrar no mérito da questão, Molon concordou com a cantora sobre a importância da contribuição de cada indivíduo para um futuro melhor. “Isso passa muito pela postura de cada um de nós. Essa consciência que você vai adquirindo... Pô, de repente, estou exagerando, posso comer menos, não desperdiçar tanto. Esses pequenos gestos fazem muita diferença no total”, concluiu o deputado.