Anitta diz que se interessou por política após cobrança de fãs: "Linguagem difícil"

Giselle de Almeida
·2 minuto de leitura
Anitta comenta seus aprendizados sobre política no "Altas Horas". Foto: reprodução/TV Globo
Anitta comenta seus aprendizados sobre política no "Altas Horas". Foto: reprodução/TV Globo

O interesse de Anitta por política, tema de lives que ela vem fazendo na quarentena, surgiu após a cobrança dos fãs por posicionamentos da cantora. Convidada do “Altas Horas” do último sábado (11), a artista comemorou o resultado prática de seus aprendizados e afirmou que quer continuar a debater o assunto publicamente.

Baixe o app do Yahoo Mail em menos de 1 minuto e receba todos os seus e-mails em um só lugar

Siga o Yahoo Vida e Estilo no Google News

Siga o Yahoo Vida e Estilo no Instagram, Facebook e Twitter, e aproveite para se logar e deixar aqui abaixo o seu comentário

“Sempre fui uma pessoa que quis mudar as coisas de alguma maneira, fazer história, fazer diferença. Nunca tinha me interessado por política porque a estrutura do nosso governo faz a gente se desinteressar. Sempre uma linguagem muito difícil, estudei em escola pública, então não era da minha realidade”, contou.

Leia também:

Ao se tornar uma pessoa pública, ela se viu diante de um dilema. “Descobri que existia esse interesse quando as pessoas começaram a me cobrar muito. Falei: ‘Caramba, preciso dar uma opinião, mas não sei nada sobre assunto’. E eu detesto falar coisas que não sei, prefiro ficar calada. Com essa coisa de ter mais tempo, uma boa oportunidade de aprender e compartilhar esse aprendizado”, explicou.

No papo com Serginho Groismann, Anitta celebrou dois feitos concretos realizados após sua conscientização. Um deles envolvia a alteração na cobrança de direitos autorais em eventos públicos e privados. O outro era relatiovo ao projeto de lei da Grilagem.

“Fiquei muito feliz que consegui mudar dois destinos de duas situações que aconteceriam na lei brasileira nesse momento de Covid, em que as pessoas estavam se aproveitando, literalmente, do momento para aplicar certas mudanças nas nossas leis. Me senti muito surpresa, honrada, feliz e assustada de ter conseguido mudar o rumo de duas situações: uma com direitos autorais dos músicos, outra com uma questão da Floresta Amazônica. Acho que tenho que continuar nessa missão”, concluiu.