Anitta e Gilberto Gil celebram vitória de Lula; veja repercussão entre cantores

SÃO PAULO, SP (FOLHAPRESS) - Ao contrário de cantores sertanejos que se calaram após a derrota de Jair Bolsonaro (PL) --seu candidato--na eleição deste domingo, 30, artistas do mundo da música que apoiaram Luiz Inácio Lula da Silva, do Partido dos Trabalhadores, publicaram suas comemorações nas redes sociais desde que o ex-presidente foi eleito.

O cantor e compositor Gilberto Gil, que foi ministro da Cultura de Lula entre 2003 e 2008 e se manifestou com frequência durante a campanha --endossado por membros de sua família, como a filha e também cantora Preta Gil, publicou no Instagram, ainda no domingo, uma foto ao lado do candidato do PT. "Acabamos de ter uma grande vitória da democracia brasileira", dizia a legenda. "Que os próximos anos sejam de reconstrução do país e de retorno das políticas públicas que priorizam os mais necessitados, a cultura e o meio ambiente".

Anitta, que declarou apoio a Lula ainda no primeiro turno --mas se afastou das redes após questões familiares, segundo ela-- fez uma sequência de publicações no Twitter se dizendo aliviada. "Se o amor venceu agora é hora de colocar esse amor em prática. Colocar a democracia em prática. Acolher e respeitar o vizinho que votou diferente, compreender e respeitar a pessoa que votou igual a você mas discorda em algumas coisas. Só assim a gente nunca mais vive o pesadelo que foi essa eleição", dizia a postagem.

A cantora Daniela Mercury, um dos nomes da cultura mais próximos da campanha de Lula, afirmou que "o canto do Brasil é o da democracia". "O verdadeiro amor pela bandeira é incluir todos no verde, amarelo, azul e branco", ela escreveu.

Mercury, que cantou no palco onde Lula se pronunciou após vencer a eleição, na Avenida Paulista, em São Paulo, ainda disse que a mudança na presidência marca "uma nova era de muito trabalho, muito respeito e muita união". Vamos retomar nossas relações e, juntos, reconstruir esse país lindo e alegre. Parabéns, Brasil. Obrigada, presidente Lula."

Ludmilla, uma das cantoras mais ouvidas do país, também celebrou a vitória de Lula, que ela apoiou este ano depois de não se posicionar em 2018. "O Brasil sorrindo de novo. Tamo junto, meu presidente. O after da posse é por minha conta", ela escreveu no Twitter.

Mano Brown, rapper dos Racionais MCs, que teceu críticas ao PT na eleição de 2018, publicou apenas uma foto de Lula acompanhada da música "Juízo Final", de Nelson Cavaquinho, na voz de Clara Nunes. O refrão da canção diz que "o sol há de brilhar mais uma vez".

Quem também comentou o resultado da eleição foi a drag queen Pabllo Vittar, que fez um discurso emocionada em agradecimento ao PT durante evento da campanha, e antes também causou um alvoroço no Lollapalooza por ter feito o sinal de "L" e pegado uma toalha de Lula em seu show. "Meu aniversário é só amanhã mas já ganhei o presente", ela tuitou.

Gal Costa, que se engajou para eleger o petista, publicou um vídeo fazendo o sinal de "L" com as mãos. "O amor venceu o ódio! Lula presidente!", ela escreveu. Já Maria Bethânia, sua companheira de Bahia e de geração, celebrou a democracia publicando figurinhas de mãos batendo palmas.

O rapper Emicida compartilhou a notícia de que Bolsonaro foi o primeiro presidente a não conseguir se reeleger, acrescentando a frase "grande dia". O comentário é uma referência a uma postagem do atual presidente em 2019, em que ele usou a mesma frase para comentar o anúncio de que o parlamentar Jean Wyllys deixaria o país por estar sofrendo ameaças.

Djonga, rapper mineiro, também escreveu em seus stories do Instagram que "tem orgulho de participar ativamente da história". "A gente sabe muito bem o que não cabe mais. Certas ideias, palavras, atitudes não cabem mais", publicou.

O sambista Martinho da Vila publicou, em seu perfil do Instagram, uma foto ao lado de Lula, Janja e de sua mulher, Cléo Ferreira, com a legenda "Parabéns presidente Lula. A democracia venceu!".