As 13 falas de Anitta contra o Governo Federal desde 2018; Veja!

·6 min de leitura
Anitta é contra o presidente Jair Bolsonaro (sem partido) (reprodução / instagram @anitta / Reuters)
Anitta é contra o presidente Jair Bolsonaro (sem partido) (reprodução / instagram @anitta / Reuters)

Resumo da Notícia:

  • Anitta se opõe ao atual governo desde antes dele ser eleito, em 2018

  • A cantora se posiciona sempre que temas que defende são atacados, como causas sociais e ambientais

  • A carioca já foi criticada por membros do Governo Federal por se posicionar

Ame ou a odeie, Anitta é a maior expoente da música no Brasil e consegue o que muitos outros famosos não: atingir a todos os públicos. E para além da sua música, seu posicionamento político contra o presidente Jair Bolsonaro (sem partido), não é de hoje, é de 2018.

Antes das eleições presidenciais o movimento #EleNão tomou as redes sociais e os famosos se desafiavam a, naquela época, defender a democracia. “Fui desafiada pela Daniela Mercury a apoiar a #EleNao. Sou a favor da democracia e também não apoio a corrupção e o oportunismo”, escreveu na legenda de um vídeo que dizia: “Não apoio o candidato Bolsonaro.”

Leia também:

As queixas da cantora não pararam após a eleição de Bolsonaro, à época no PSL, com a ajuda de pouco mais de 1/3 dos eleitores. “Não sei se ele é bom ou ruim na economia ou nas questões financeiras... Não tenho ideia. Mas do ponto de vista social, essa posição não coincide com o que acredito. Ser racista, ser contra os LGBT, o machismo, os direitos das mulheres... Coisas que eu como artista, como pessoa [não concordo]. Então, não posso defender coisas como essas", disparou em fevereiro de 2019 durante uma entrevista internacional.

Em agosto do mesmo ano ela questionou publicamente um ataque do PR a um projeto de edital para séries com conteúdo LGBT. “Se realmente isto não se trata de um preconceito LGBT por que fazer um post isolado sem explicação específica pra que não estimule seus seguidores à serem contra a comunidade? Escrevo isso com todo o respeito que se deve tratar um governante político. E como uma pessoa que realmente gostaria de entender sem agressividade coisas que me parecem contraditórias”, afirmou.

No começo de 2020, logo após o início da pandemia de covid-19, Anitta decidiu usar seu tempo livre para aprender. Teve aulas de idiomas, instrumentos, fez o próprio programa e se aprofundou nas questões políticas com Gabriela Prioli em lives nas redes sociais. Meses depois ela flertou com os pedidos de impeachment que já eram protocolados contra o chefe do executivo na câmara federal.

“Há muita controvérsia, muita diferença. Para mim, presidente tem que governar para todos, não só para quem pensa como ele, por isso mudaria”, explicou.

Em entrevista à MNE, em agosto, ela continuou: “Acho que o presidente não está conduzindo a crise [do coronavírus] de maneira positiva. Você sabe, ele está apenas tentando evitar a responsabilidade pelos problemas dele.” Nas redes sociais ela também afirmou: “Presidente como vamos resolver o problema de saúde? “A meto a porrada” (geral curado); E a educação vamos melhorar como? “Ah se não estudar meto a porrada” (geral formado); Presidente e a economia? “Ah mete a porrada em geral” (geral rico); Top hein, galera... top.”

Em outubro ela criticou uma iniciativa do Governo Federal que pretendia ceder à iniciativa privada as unidades básicas de saúde de todo o país. “’Anitta nem precisa do SUS não sabe’. Uma pesquisa rapidinha no Google vocês vão saber 2 coisas: 1. De onde eu vim e por que já precisei do SUS até pouco tempo atrás; 2. O SUS representa muito mais do que vocês acham que representa”, declarou.

Já março de 2021 ela compartilhou um vídeo do movimento ‘Bolsocaro’, que mostra como os preços estão altos em pontos sensíveis para a população por conta da alta da inflação. A gravação falava do dólar batendo R$ 5.60, o botijão de gás R$ 100 e da nova mansão o filho do PR, Flávio, que custou R$ 6 milhões.

Já em abril, Anitta se uniu a outros artistas e divulgou um vídeo direcionado ao presidente dos Estados Unidos, Joe Biden. “Sim. Joe Biden está prestes a fechar um acordo secreto com Bolsonaro. Os povos indígenas do Brasil estão alertando: ‘Não confie em Bolsonaro. Não o deixe negociar o futuro da Amazônia’”, a edição também foi compartilhada por Mark Ruffalo.

Na pegada ambiental, ela também pediu a demissão do ministro do meio ambiente, Ricardo Salles, do cargo após números recordes de desmatamento da Amazônia. "Fora Salles! É um desserviço para o meio ambiente", escreveu no Twitter. O chefe da pasta crititou o posicionamento da cantora a chamando de 'teletubie'.

Em maio, divulgando seu novo trabalho nos Estados Unidos, ela lamentou as medidas adotadas pelo PR. “A gente olha para o Brasil e vê que nosso presidente fez escolhas muito ruins. Aqui também, estava ruim, mas mudou o presidente e tudo começou a melhorar, então espero que isso mude logo para o Brasil também”, pediu.

Há alguns dias atingimos a dolorosa marca de meio milhão de brasileiros mortos e ela não se calou. “500 mil mortes... É sobre FORA BOLSONARO sim! A favor da democracia, da economia, da saúde, da educação, do senso coletivo”, escreveu.

E não parou: “Lá vem os bolsonarers (sim, o presidente tem um fã clube Mulher com a mão no rosto) me "atacarem" com um grandessíssimo insulto mandando eu retocar a tatuagem do meu c*.... Ainda não desbotou... Quando desbotar eu retoco por que é linda (duvido que os machão não iam adorar)... Até por que, o cara tá empurrando no c* de vocês sem pena e vocês ainda vão pra rua de motoca pedir mais”, concluiu.