Anitta planeja se arriscar em outra profissão: "Não quero ser cantora para o resto da vida"

Anitta. Foto: reprodução/Instagram/anitta

Anitta está sempre inquieta, em busca de novas conquistas. Eleita a mulher do ano pela revista “GQ”, ela revelou à publicação quais são seus planos, hoje, para se sentir completamente realizada. Entre eles, está uma guinada na carreira e dedicação à vida pessoal.

Já conhece o Instagram do Yahoo Vida e Estilo? Segue a gente!

“Quero muito construir minha própria família. Quero muito ter mais tempo com minha família (Ao todo, somos 17, falo com eles todos os dias. Até hoje, só fiz uma viagem com todos.). E, mais para frente, quero me arriscar em outra profissão. Não quero ser cantora para o resto da vida”, afirmou.

Leia também:

Ela disse ainda que nunca teve vontade de lacrar para fazer música e estar em primeiro lugar nos rankings”. “Sempre quis fazer diferente. Gosto de criar controvérsias para fazer as pessoas discutirem, provocar o debate da diversidade de opiniões. Coloquei na cabeça que eu precisaria apresentar o funk ao mundo para fazer os brasileiros darem o devido respeito ao ritmo”, garantiu.

Na entrevista, Anitta afirmou que sempre quis fazer história, mas chegou a desanimar de seu objetivo há dois anos. Na ocasião, chegou a fazer uma lista de metas e diz que cumpriu “três vezes mais”. A cantora afirma que seus desejos eram fazer o funk ser conhecido no mundo e ser aceito em grandes festivais.

Além disso, ela queria ter uma música mundialmente conhecida e fazer seus ídolos, como Mariah Carey, sua inspiração no início da carreira, notarem seu trabalho. “Hoje ela fala comigo, me segue no Instagram, curte minhas fotos. Temos o mesmo advogado lá fora e mandei uma foto do meu cachorro com todos os CDs e DVDs dela que coleciono há anos”, contou.

Anitta, que deslanchou nas parcerias internacionais nos últimos anos, comentou ainda sua estratégia de aproximação com astros gringos. “O Brasil é o terceiro maior mercado de música, mas a maioria em português. Percebi que tinha espaço e essa passou a ser minha moeda de troca: eu apresentá-los para o mercado brasileiro e eles fazerem o mesmo por mim lá fora”, disse.