Angélica diz que menopausa não é fim do mundo e celebra experiência de vida

·2 minuto de leitura

SÃO PAULO, SP (FOLHAPRESS) - A apresentadora Angélica, 46, conta que te algumas maneiras de driblar os sintomas de sua precoce menopausa. De acordo com ela, o período, por vezes escondido por parte de algumas mulheres, é normal e precisa ser comentado. "O que descobri vivendo este momento foi que as pessoas não falam muito desse período da mulher e, quando falam, acham que é o fim. E não é. Na verdade, o que descobri é que é normal e que você tem formas de viver muito bem. Porque existem formas de driblar os sintomas", começou ela em entrevista à colunista Patrícia Kogut. Ela fez questão de dar conselhos a quem está passando pela mesma fase de vida. "Eu acho importante a mulher saber que a vida pode ser maravilhosa depois da menopausa. A gente não tem que sofrer com isso", opinou. Angélica também comentou que vive um dos melhores momentos de sua vida: já teve filhos, eles cresceram e no trabalho já está consolidada. Atualmente, Angélica apresenta o Simples Assim (Globo), nas tardes de sábado, da Globo. "Você já tem segurança para um monte de coisas, já sabe o que quer. Já tem força suficiente, história de vida para viver os próximos 50 muito melhores. Essa coisa da experiência, para mim, é mágica. Ter a experiência de uma mulher de 50 não tem para ninguém, não tem para nenhuma de 25", concluiu. A apresentadora, que estava fora do ar desde o fim do Estrelas em 2018, agora tem sua volta à TV. Se antes ela entrava na intimidade dos famosos para revelar o que nos aproximava deles, agora ela convida anônimos a falarem sobre temas universais --como felicidade, amor e relacionamentos familiares--, com os quais qualquer um pode se identificar. "É um programa que tem muito a ver com o momento que a gente está vivendo, em que algumas palavrinhas entraram na moda: empatia, sororidade, representatividade...", contou ao F5. "A gente quer que as pessoas tenham uma companhia no sábado à tarde para pensarem sobre essas questões, que se identifiquem com os temas, olhem para dentro e reflitam sobre o que realmente importa."