Andréia Sadi comenta rotina com gêmeos e afirma: "Dá medo em dobro"

·2 minuto de leitura
Andréia Sadi com os gêmeos, Pedro e João. Foto: reprodução/Instagram/sadiandreia
Andréia Sadi com os gêmeos, Pedro e João. Foto: reprodução/Instagram/sadiandreia

Resumo da notícia

  • Andréia Sadi afirma que ser mãe de gêmeos "dá medo dobrado"

  • Jornalista da GloboNews conta rotina no primeiro mês de vida de Pedro e João

  • Ela elogia parceria com o marido, André Rizek, desde a chegada dos bebês

Mãe de primeira viagem há um mês, Andréia Sadi refletiu sobre a chegada dos gêmeos Pedro e João em entrevista à revista "Ela", do jornal "O Globo". A jornalista da GloboNews falou sobre a mudança na rotina, a parceria com o marido, André Rizek, e os novos sentimentos provocados pelos pequenos.

"Ser mãe de gêmeos dá medo dobrado. Mas, ao mesmo tempo, o amor é dobrado. Os sorrisos são dobrados. Dizem que nesta fase são só espasmos, mas eu acredito no que quiser", brincou ela.

Leia também

A repórter de política afirmou que sempre quis ter filhos, mas não sabia quando seria o momento certo. 

"Uns três anos atrás, comentando sobre isso com uma amiga da TV, ela falou: 'Se você planejar muito, não vai ter'. Fiquei com aquilo na cabeça. E, quando comecei a namorar o André [em meados de 2019], falei: ‘Depois das Eleições de 2022 e depois da Copa — pois o nosso calendário precisa conciliar política e esporte [a área dele, que é apresentador do Seleção SporTV'], — acho que seria uma boa (engravidar)'", contou. 

Os bebês, no entanto, se adiantaram e mudaram os planos do casal. "Um ano depois, a gravidez veio como um presente. E os gêmeos, como um susto. Tinha medo de não dar conta de duas crianças", admitiu.

O receio provocou uma crise de choro no estacionamento da maternidade, no dia em que recebeu alta. "Estava morrendo de medo [emociona-se]. Agora, em casa, estamos com o auxílio de uma enfermeira maravilhosa, a Margarida. Foi ela quem deu, junto com o André, os primeiros banhos nos bebês. Eu tinha medo de afogar as crianças e nervoso dos umbigos", contou.

Ao pai também cabe a tarefa de levar os meninos para o banho de sol diário, já que a Andréia diz ter medo de "derrubar os nenéns". Ela é só elogios ao marido, que conseguiu ficar 24 dias em casa nesse primeiro mês de vida dos filhos. "A conexão dele com os meninos é impressionante, está se mostrando um pai incrível", disse ela, emocionada.

Este conteúdo não está disponível devido às suas preferências de privacidade.
Para vê-los, atualize suas configurações aqui.

O momento da amamentação, no entanto, exige atenção exclusiva e intensa da mãe, já que Pedro e João não gostam de dividir o espaço.

"Nos primeiros dias, colocava os dois para mamar ao mesmo tempo, e doía muito. De repente, ficou bom. Só que eles não gostam. Seria engraçadinho se não fosse desesperador, pois agora eles não mamam quando juntos. Cada dia um faz birra. É uma linha de produção: acaba o serviço de um, começa o de outro", disse a jornalista, que não desliga das notícias nem nesse momento.