Ana Paula Valadão diz que homossexualidade "causa" Aids e gera revolta

Giselle de Almeida
·2 minuto de leitura
Ana Paula Valadão. Foto: reprodução/Instagram/anapaulavaladao
Ana Paula Valadão. Foto: reprodução/Instagram/anapaulavaladao

A internet reagiu com indignação a uma declaração da pastora e cantora gospel Ana Paula Valadão que viralizou neste fim de semana. A religiosa foi acusada de LGBTfobia por associar a homossexualidade à Aids. A fala, dita durante o evento Congresso Diante do Trono, em 2016, provocou indignação nas redes e entrou para os assuntos mais comentados do Twitter.

Baixe o app do Yahoo Mail em menos de 1 minuto e receba todos os seus e-mails em um só lugar

Siga o Yahoo Vida e Estilo no Google News

Siga o Yahoo Vida e Estilo no Instagram, Facebook e Twitter

Na ocasião, ela declarou que “Deus criou o homem e a mulher” e que as demais expressões da sexualidade seriam “opções”.

Leia também:

“A Bíblia chama qualquer escolha contrária a que Deus determinou como ideal, como ele nos criou para ser, de pecado. E o pecado tem uma consequência, que é a morte”, afirmou.

Em seguida, ela ignora que a transmissão do vírus HIV pode se dar entre pessoas de qualquer orientação sexual e estigmatiza os homossexuais.

“A Aids está aí para mostrar que a união sexual entre dois homens causa uma enfermidade que leva à morte, contamina as mulheres e não é o ideal de Deus”, disse.

Com a recente repercussão do trecho, a Aliança Nacional LGBTI+ afirmou em nota que vai levar o caso à Justiça, por se tratar de um crime de LGBTfobia.

“O discurso de Ana Paula beira ao absurdo, extrapolando a liberdade religiosa e de expressão, tornando-se um discurso odioso, fanático e amplamente desproposital, com consequências potencialmente desastrosas, principalmente para quem a segue”, afirmou a entidade.

Após a repercussão negativa, a pastora, que comanda uma igreja própria nos Estados Unidos, deixou seu perfil no Twitter privado e desativou os comentários da última publicação no Instagram.