Ana Paula Padrão culpa edição por polêmica no Masterchef sobre carne de bode

Ana Paula Padrão publicou uma serie de stories se justificando pela fala no Masterchef na qual relacionou o consumo da carne de bode à fome no Nordeste. Acusada de xenofobia, a apresentadora explicou que sua fala original foi cortada no episódio que foi ao ar, e que jamais quis dizer que a carne de bode só é consumida no contexto da escassez.

Antes de se desculpar, Ana Paula explicou que teve contato com a carne de bode por meio de um amigo pernambucano, e que ele foi o responsável por explicar a ela o contexto histórico do semi-árido na época em que a carne começou a ser consumida.

Leia também:

"O Murilo Cavalcante, amigo meu de Recife, é de Cabrobó, no semi-árido de Pernambuco, e me disse que durante muito tempo o bode foi uma das poucas fontes de proteína animal nessa região do Nordeste, e que nos últimos anos se desenvolveu uma cultura gastronômica incrível a partir disso", se justificou.

"Quando nosso convidado disse no Masterchef que bode era 'incomível', eu disse que ele não sabia o que estava perdendo, e contei um pouco dessa história pra ele. Mas nem tudo que gravamos vai ao ar. Quero pedir desculpas, a frase não reflete o que penso nem reflete o que estudei da região. Também não reflexe a história do Masterchef", completou.

Entenda a polêmica

Uma fala de Ana Paula Padrão deixou o público desconfortável durante o episódio desta terça-feira (7) do Masterchef, que mostrou a tradicional prova de carnes exóticas. Os participantes precisaram preparar pratos autorais a partir de carnes consideradas pouco usuais, como rã, codorna, rã e bode.

Na hora de explicar o consumo da carne de bode em diversos estados no Nordeste e no Norte, Ana Paula afirmou que o animal está predominantemente na mesa "de pessoas que possuem pouco". A carne do bode é uma iguaria tradicional da cultura sertaneja, que também utiliza outras partes do animal para vestuário e outros usos. Uma das técnicas tradicionais de se conservar o bode, predominante nos interiores de Pernambuco, é pela produção da "manta de bode", quando o animal é desossado e a carcaça é aberta, salgada e seca ao sol, uma técnica ancestral de conservação da carne.

Em outros estados do Nordeste, o consumo de bode é cotidiano e a carne também é servida ao lado de carne bovina e de carneiro em churrascarias, e não é um alimento associado à economia ou redução de gastos.

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos