Ana Maria Braga presta serviço público ao falar sobre câncer na TV com tanta coragem

Ana Maria Braga (Foto: Instagram)

Um ícone da televisão brasileira, Ana Maria Braga demonstrou coragem e otimismo o suficiente para falar que foi diagnosticada, mais uma vez, com câncer. Porém, mais do que abrir a própria vida com a audiência, o que ela faz desde sempre, a apresentadora prestou um serviço público. 

Já conhece o Instagram do Yahoo Vida e Estilo? Siga a gente!

De fato, não é a primeira vez que Ana Maria fala sobre a doença na televisão. Ela já foi diagnosticada com a doença, também no pulmão, outras duas vezes e sempre foi aberta sobre o tratamento. Desta vez, explicou que está com um adenocarcinoma, um tipo mais agressivo e que, diferente dos cânceres anteriores, não pode ser tratado com cirurgia ou sessões de radioterapia. 

Leia também

Por enquanto, ela tem feito ciclos de tratamento de imunoterapia e quimioterapia e espera conseguir ficar no comando do programa até o dia 7 de fevereiro, quando sai de férias. 

A batalha de Ana contra a doença é longa - em 1991, ela foi diagnostica com câncer de pele e, em 2001, com câncer no reto. Desde então, conversa abertamente com o público sobre os tratamentos, explica sua condição de saúde e, claro, volta à TV para comemorar a melhora. Mas o que a apresentadora faz é mais do que contar sobre a sua vida para quem a assiste. 

A realidade é que o câncer, infelizmente, se tornou comum, e já ocupa o lugar de principal causa de morte no mundo inteiro. Segundo dados da Organização Pan-Americana de Saúde, divisão da OMS para os países do continente americano, só em 2018 foram registradas quase 10 milhões de mortes por câncer no mundo. A proporção é de uma a cada seis mortes para a doença. 

O mais impressionante é que 70% dessas mortes acontecem nos países de baixa e média renda, onde a desinformação não só é grande como a falta de acesso a recursos e tratamento também. 

Ainda segundo a OPAS, em 2017 apenas 30% dos países de baixa renda disseram ter serviços de tratamento de câncer no seu serviço público de saúde - nos países de renda alta essa taxa sobe para 90%.

Apesar do câncer de mama ser um dos mais comuns entre as mulheres e o de próstata entre os homens (segundo informações do INCA, o Instituto Nacional do Câncer), cerca de um terço das mortes pela doença acontecem por conta dos cinco principais riscos comportamentais: alto índice de massa corporal, baixo consumo de frutas e vegetais, falta de atividade física e consumo de álcool e tabaco. 

Aliás, em 2018 a própria Organização Mundial de Saúde alertou para o fato de que a incidência de câncer no Brasil pode aumentar em até 78% nos próximos 20 anos, se nada for feito. Por isso o anúncio público de Ana Maria é tão importante. 

A prevenção é a parte mais importante, e a recomendação é que comece já na infância. Manter uma alimentação equilibrada, uma rotina de exercícios físicos e bons hábitos, evitando o excesso de álcool ou tabaco e adotando o uso do protetor solar diariamente, são os primeiros passos para isso. 

Vale lembrar da importância de tomar a vacina contra o HPV, a principal causa do câncer de colo de útero em mulheres, ainda na adolescência, e também da vacinação geral contra a Hepatite B, que pode causar câncer no fígado. 

No mais, o acesso a informação, ao diagnóstico e ao tratamento é essencial para evitar o aumento no número de mortes geradas pela doença. Ao falar publicamente sobre o assunto, além de demonstrar coragem, Ana Maria abre a porta para uma conversa sobre prevenção e a importância de fazer exames de rotina - principalmente se existem casos de câncer na família. 

Tratamento gratuito no Brasil

Importante lembrar que o Sistema Único de Saúde, o SUS, oferece alguns tratamentos - inclusive preventivos, de forma gratuita. A vacina de HPV, por exemplo, é oferecida gratuitamente para meninas com idade entre 9 e 14 anos e menino entre 11 e 14 anos. 

A vacina de Hepatite B está disponível também no sistema público para todas as pessoas não vacinadas quando bebês, independentemente da idade. Dependendo da faixa etária, porém, o modo de aplicação é diferente, variando entre três doses para adultos e quatro para crianças. 

No Brasil, existem hoje 317 unidades e centros de assistência que estão habilitados para oferecer o tratamento para o câncer. Todos os estados brasileiros contam com, pelo menos, um hospital com a infra-estrutura necessária, para exames ou cirurgias decorrentes do câncer. 

No site do INCA você encontra aos locais exatos onde o tratamento gratuito é oferecido, separados por estado.