Alexandra Gurgel: "Tinder é a prova do padrão de beleza no nosso inconsciente”

Lucas Pasin
·2 minuto de leitura
Alexandra Gurgel, fundadora do movimento Corpo Livre (Foto: Reprodução/Instagram @alexandrismos)
Alexandra Gurgel, fundadora do movimento Corpo Livre (Foto: Reprodução/Instagram @alexandrismos)

Queridinhos dos solteiros, os aplicativos de namoro, aqueles em que você passa para um lado ou outro da tela dependendo se gostou ou não do possível ‘crush, foram citados pela influenciadora Alexandra Gurgel, fundadora do Movimento Corpo Livre – que visa a liberdade e respeito a todos os corpos – como uma prova clara do tal ‘padrão de beleza’ totalmente inserido no nosso inconsciente.

Baixe o app do Yahoo Mail em menos de 1 minuto e receba todos os seus e-mails em um só lugar

Siga o Yahoo Vida e Estilo no Google News

Siga o Yahoo Vida e Estilo no Instagram, Facebook e Twitter

"É algo automático. O Tinder é a prova viva disso acontecendo", disse ela em conversa com o Yahoo!. Alexandra também confidenciou: "Eu mesma sempre falava que não dava 'match' com gordos. Até que um dia me questionei. Como é que poderia dar certo? Quando comecei a curtir fotos de homens gordos, obviamente eles começaram a aparecer como opção também para mim".

Leia também

Alexandra ressalta que pessoas gordas são muitas vezes negligenciadas para o sexo e relembra como parceiros antigos já demonstraram diversas inseguranças com o corpo: "Falavam sobre a genitália pequena demais por conta da gordura em cima. E eles me avisavam aquilo, como se fosse algo muito terrível. Olha que doidera!"

Rótulos e trabalho com marcas

A ativista, que atualmente está namorando uma mulher, fala ainda sobre como é rotulada e diz que por conta de sua sexualidade ganhou um novo título para as marcas que buscam trabalhos com influenciadores. “Antes eu era a cota gorda. Quando me assumi sapatão, vi que virei a cota gorda e sapatão para tudo”.

No entanto, com mais de 900 mil seguidores no Instagram, Alexandra revela que não aceita trabalhos que não combinem com seu ativismo e movimento a favor do corpo livre. “Se eu aceitasse fazer propaganda de cinta modeladora ou chá de emagrecimento já estava rica. Recebo muitas propostas. Mas não, as marcas com que eu trabalho são bem alinhadas com a minha pauta. Me oferecem muitos produtos para emagrecer. Não aceito, e vejo outras influenciadoras gordas aceitando. Acho isso bem problemático porque fica totalmente na questão da insatisfação com o corpo”.

Confira na íntegra o bate-papo com Alexandra Gurgel no Yahoo Vida e Estilo: