Como ajudar alguém que pensa em suicídio?

·6 minuto de leitura
Side view caring middle aged woman embracing comforting soothing sad millennial daughter, demonstrating support and love. Upset worried young lady cuddling hugging empathic loving older mother.
Oferecer apoio e respeito a quem está passando por um momento complicado é essencial na prevenção ao suicídio (Foto: Getty Images)

Todo mundo passa por momentos complicados na vida. Isso não significa que é preciso lidar com eles sozinho. Por isso, aproveitamos o gancho do Dia Internacional de Prevenção ao Suicídio para explicar como você pode ajudar alguém que está passando por dificuldades e apresentando comportamentos que podem ser conectados aos pensamentos suicidas.

Baixe o app do Yahoo Mail em menos de 1 minuto e receba todos os seus e-mails em um só lugar

Siga o Yahoo Vida e Estilo no Google News

Siga o Yahoo Vida e Estilo no Instagram, Facebook e Twitter, e aproveite para se logar e deixar aqui abaixo o seu comentário

Vale lembrar, antes de mais nada, que se você ou qualquer outra pessoa precisar de suporte durante um momento de grande desespero ou desesperança, é possível pedir auxílio de forma anônima discando 188 e entrando em contato com o CVV, o Centro de Valorização à Vida. A ligação é gratuita e pode ser feita a qualquer hora do dia e da semana.

Leia também

Como saber que alguém está considerando o suicídio?

Antes de se colocar a disposição de alguém, é preciso entender que o suicídio não é uma decisão isolada, que acontece "do nada". É a consequência de um processo longo que evolui com o tempo. Comumente é o resultado de algum tipo de transtorno mental, como a depressão, e é possível identificar os seus sinais.

Segundo Clenice Araújo, psicóloga da Alba Saúde, do Rio de Janeiro, o maior fator de identificação é quando a pessoa não consegue ver sentido na própria vida. "A pessoa potencialmente suicida não tem prazer em nada", explica. "A arte, a música, nada faz sentido. Nada para ela anima, é a pessoa que gosta de ficar quieta."

Outro ponto importante, segundo a profissional, é que essas pessoas começam a falar, mesmo que em tom de aparente brincadeira, sobre morte ou sobre pessoas que cometeram suicídio. Comentários do tipo "eu queria sumir", "às vezes eu penso o que aconteceria se eu desaparecesse" e semelhantes não devem ser encarados de forma leviana: eles são, sim, sinais de que essa pessoa está com dificuldades e possivelmente considerando o suicídio.

É interessante notar, também, que muitas vezes o suicídio acontece por conta de um tabu muito maior: falar sobre o assunto sempre foi uma dificuldade na sociedade e a falta de informação e o medo de encarar um tema como a morte faz com que, muitas vezes, essas pessoas não sejam acolhidas.

No entanto, a Organização Mundial da Saúde já deixou claro que a depressão é a doença do século, considerando-a a mais incapacitante de todas e classificando o suicídio como uma pandemia, que assola principalmente jovens entre 15 e 25 anos. As estatísticas da organização dizem que a cada 40 segundos uma pessoa comete suicídio no mundo, o que aumenta, ainda mais, a necessidade de tirar os mitos e tabus em torno do tema para combatê-lo de forma eficaz.

"A sociedade nos impõe padrões tão difíceis de serem alcançados, como no ponto de vista da beleza, sucesso pessoal, comparações... Quando uma pessoa se suicida, não é só a família e amigos que perdem aquela pessoa, mas a sociedade inteira falha. Nós somos seres sociais, nós somos seres 'um' e quando esse 'um’ não é incluído, ele não consegue ter lugar nesse mundo, ele quer partir. É uma falha social, uma responsabilidade social também", explica.

Este conteúdo não está disponível devido às suas preferências de privacidade.
Para vê-los, atualize suas configurações aqui.

Como ajudar uma pessoa que considera o suicídio?

De acordo com a terapeuta e consteladora Alessandra Pais, o primeiro passo é prestar atenção nos sinais que essa pessoa dá. Isso significa ter empatia a ponto de perceber quando alguém não está bem - mesmo sorrindo em fotos e parecendo bem humorado no seu dia a dia.

Vale notar, também, que é essencial que você, no papel de rede de apoio dessa pessoa, garanta a sua própria saúde mental e cuide de si mesmo, tanto para não se deixar levar por uma sensação de tristeza, quanto para compreender que a pessoa que considera o suicídio está muito vulnerabilizada mas precisa, ela mesma, topar receber ajuda. Dito isso, alguns pontos para considerar:

1.Acima de tudo, ouça

Na dúvida do que falar para alguém que passa por dificuldades, a melhor coisa que você pode fazer é ouvir. Escute o que essa pessoa tem a dizer, permita que ela desabafe e fale sobre as suas angústias, respeite a sua dor, não julgue e ofereça o acolhimento que ela precisa. Muitas vezes, o que uma pessoa potencialmente suicida necessita é alguém que a faça sentir compreendida.

2.Ofereça a ajuda de quem pode ajudar

No papel de um familiar, parceiro ou amigo próximo, queremos sempre tirar a pessoa querida de um grande sofrimento. Mas, muitas vezes, esse não é o nosso papel. No caso de alguém que pensa em suicídio, o que essa pessoa necessita é de uma rede de apoio multidisciplinar, como explica Alessandra, que conte, inclusive, com os profissionais mais capacitados para tratá-la. O suicídio é resultado de desequilíbrios mentais já muito avançados, então, um acompanhamento psicológico e psiquiátrico não só é recomendado como necessário. Ofereça-se para ajudá-la a encontrar um profissional de saúde mental com o qual ela consiga conversar.

3.Foque no hoje

Na maioria das vezes, a pessoa que considera o suicídio está tão envolvida nas suas emoções e pensamentos que não consegue colocar o seu foco em outra coisa. Nesse caso, mantenha o seu foco com ela sempre no hoje: como você se sente hoje? Vamos fazer alguma coisa hoje? O que você gostaria de comer hoje? Isso ajuda a pessoa a levar um dia por vez, sem se sentir pressionada por mais um fator, que são os pensamentos no futuro.

Este conteúdo não está disponível devido às suas preferências de privacidade.
Para vê-los, atualize suas configurações aqui.

4.Fique atento aos sinais

Mais do que qualquer coisa: preste atenção. Boa parte da comunicação acontece de forma não-verbal, ou seja, por meio de movimentos, feições… Por isso, fique atento à essa pessoa e busque compreender os sinais que ela está enviando.

Em uma situação como a que vivemos agora, de isolamento social e pandemia de coronavírus, é possível reconhecer um comportamento suicida principalmente quando a pessoa começa a se isolar ainda mais: ela evita telefonemas, não conversa, não responde mensagens, fica muito reclusa… É importante ficar atento, se colocar disponível da melhor forma que puder e pedir ajuda extra caso seja necessário, e você acredite que a pessoa seja um risco para si mesma.

No mais, lembre-se que é possível sair de uma condição de profundo desespero e desesperança, mas é difícil fazê-lo sozinho. Peça ajuda. Existem pessoas dispostas a ouvir o que você tem a dizer e oferecer o apoio necessário para que você volte a ver a vida da maneira que ela realmente é: feliz.

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos