AIDS: 5 filmes que abriram os olhos do mundo para a doença

'Clube de Compras Dallas' é um dos mais conhecidos (Reprodução/IMDb/Anne Marie Fox - © 2013 Focus Features, LLC.)

O Dia Internacional de Luta contra a AIDS surgiu em 1987 e adotou o 1º de dezembro como data para promover a solidariedade às pessoas infectadas pelo vírus HIV. O cinema não ficou à parte disso e fez sua parte na luta contra o preconceito.

Já conhece o Instagram do Yahoo Vida e Estilo? Siga a gente!

Leia também

Confira alguns exemplos:

AIDS - Aconteceu Comigo (1985)

Antes de passar no SBT com essa apelativa tradução de seu título original, ‘An Early Frost’ foi exibido pela rede de televisão NBC nos EUA em novembro de 1985, pouco mais de um mês após a morte de Rock Hudson, primeira estrela de Hollywood a morrer vitimado pela AIDS. A história de um advogado (Aidan Quinn) que volta à casa dos pais para contar-lhes que foi contaminado pelo vírus recebeu muitos elogios - o Washington Post, por exemplo, considerou o mais importante filme feito para a TV em 1985. Para se ter uma ideia do pioneirismo do filme, a confirmação definitiva do HIV como causador da AIDS foi somente no ano seguinte.

Buddies (1985)

Dois meses antes de ‘An Early Frost’ passar na TV, este filme de baixíssimo orçamento (US$ 27 mil) foi exibido em San Francisco e no Chicago Gay and Lesbian Film Festival, o que faz dele o primeiro filme a falar de AIDS. A trama gira em torno da amizade surgida entre um homem gay e monogâmico que decide ajudar voluntariamente outro homem gay que foi infectado pelo vírus. O diretor do filme, Arthur J. Bressan Jr., morreu de AIDS dois anos depois.

Meu Querido Companheiro (1990)

Os primeiros casos de AIDS foram registrados oficialmente em 1981, principalmente entre homens gays e usuários de drogas injetáveis. Sob o ponto de vista de um grupo de amigos afetados direta ou indiretamente pela doença, o diretor Norman Rene faz reconstituição bastante didática dos primeiros anos da epidemia, inclusive dividindo a trama por datas. Sensível e respeitoso, o filme foi sucesso de bilheteria mesmo sendo uma produção independente. Bruce Davison venceu o Globo de Ouro de melhor ator coadjuvante e foi indicado ao Oscar na mesma categoria. 

Filadélfia (1993)

O primeiro filme de um grande estúdio de Hollywood a ter a AIDS como elemento principal da trama rendeu o Oscar de Melhor Ator para Tom Hanks (que repetiria a dose no ano seguinte por ‘Forrest Gump’) e de Melhor Canção para ‘Streets of Philadelphia’, de Bruce Springsteen. Andrew Beckett (Hanks) é demitido de um grande escritório de advocacia após sua condição de gay e soropositivo ser descoberta. Decide então processar a firma, mas ninguém quer assumir o caso. Até que encontra Joe Miller (Denzel Washington), um advogado de pequenas causas que topa seguir com a ação, mesmo sendo ele próprio um homofóbico. Abordar o efeito social da AIDS e do preconceito é o grande trunfo do filme.    

Clube de Compras Dallas (2013)

Em seu melhor desempenho na carreira, Matthew McConaughey interpreta Ron Woodroof, um eletricista heterossexual, mulherengo e ‘vida louca’  que descobre ser portador do HIV em 1986, quando a epidemia da doença atinge níveis críticos. Ao lado do travesti Raymond "Rayon" (Jared Leto), Ron passa a contrabandear medicamentos para tratamento da doença e distribuí-los entre outras vítimas da doença. A dupla McConaughey-Leto levou os Oscar de Ator e Ator Coadjuvante, respectivamente.