'Agora tenho dois pais', diz menino que foi rejeitado duas vezes antes de ser adotado

Menino finalmente é adotado após rejeição – Divulgação/Aline Caetano/Centro de Comunicação Social do TJGO

De acordo com dados do Conselho Nacional de Justiça, existem 8,7 mil crianças e adolescentes esperando para serem adotados. Um deles era Enzo, de 8 anos, que além de ter sido rejeitado pela família biológica, duas outras famílias também não o quiseram.

Leia mais: Gay e solteiro, homem realiza sonho de ser pai e adota 4 crianças deficientes

O menino viveu em um abrigo desde que tinha 3 anos e seus outros irmãos conseguiram encontrar uma nova família. Por ter sido diagnosticado com transtorno de déficit de atenção, Enzo foi recusado por duas famílias que pretendiam adotá-lo.

Mas finalmente ele conseguiu ser encaminhado para um novo lar e acaba de se tornar filho do casal Kairon Patrick de Oliveira e Sílvio Romero Bernardes Fagundes. A adoção foi oficializada na 1ª Vara de Família, Sucessões, Infância e Juventude do fórum de Águas Lindas de Goiás (GO) no último dia 12.

“Estou muito feliz. Agora tenho dois pais e eu os amo. Meus pais são ótimos para mim e eu amo muito eles”, disse Enzo. A adaptação não foi fácil, já que o menino está crescido e desenvolveu certas inseguranças por conta da rejeição sofrida.

“Mas a gente conseguiu construir uma nova realidade, com ajuda de psicólogos e profissionais que nos ajudassem a resolver toda essa situação que ele trouxe, sobre a rejeição. Isso foi bem complicado. A família sempre é a base dos filhos”, contou Kairon ao Extra.

A adoção serviu também para derrubar o diagnóstico equivocado de déficit de atenção. O casal levou Enzo a outro especialista, que concluiu que ele não sofria de qualquer transtorno. “A primeira escola o diagnosticou com o mesmo problema, então mudamos de escola e ele apresentou melhoras de comportamento. Acreditamos que isso tenha acontecido porque a segunda escola soube trabalhar com ele. A inclusão social dele foi bem feita. Temos um apoio muito grande da escola. A primeira, por outro lado, gerou uma exclusão social muito grande”.

Para o juiz Felipe Levi, o casal foi a melhor escolha para atender os interesses de Enzo. “Como se pode verificar de toda instrução do processo, não resta dúvida que ele recebeu a melhor de todas as família”, disse em comunicado do Tribunal de Justiça de Goiás.

Leia mais: Adotado por casal homossexual, menino escreve redação sobre ser a ‘criança mais feliz do mundo’

Mesmo com as dificuldades na adaptação da nova família, tudo correu bem e todos estão felizes. “Ele é um filho maravilhoso. Na primeira semana, ele já chamou a gente de pai. Foi a coisa mais fácil de todas. A reação dele foi de felicidade”, completa Kairon.