Agora é oficial: as mulheres sentem mais frio do que os homens

·6 min de leitura
Mulheres sentem mais frio homens (Foto: Getty)
Mulheres sentem mais frio homens (Foto: Getty)

A guerra pelo controle do ar-condicionado já eclodiu em toda a Grã-Bretanha: as mulheres atacam aumentando a temperatura e os homens contra-atacam diminuindo. As trabalhadoras passam muito frio nos escritórios, enquanto os homens desfilam só de camisa de botão. As mães vestem uma jaqueta bem quente para levar as crianças à escola, enquanto os pais se resolvem com um suéter leve.

Mas por quê? Será que as mulheres reclamam demais, choramingando por um frio inexistente, enquanto os homens são guerreiros fortes e corajosos que se contentam com uma simples camiseta para enfrentar o frio?

Ou existe um motivo científico para a disparidade bem conhecida na sensação térmica que homens e mulheres experimentam?

Leia mais:

É claro, existe um motivo científico, comprovado por um novo estudo. Pesquisadores da Universidade de Tel Aviv, em Israel, estudaram espécies de aves e morcegos para tentar encontrar possíveis diferenças na reação dos animais à temperatura.

Dessa forma, descobriram que os animais machos preferem temperaturas mais baixas e sugeriram que as descobertas demonstram uma variação nos mecanismos sensoriais do calor entre os sexos.

"Nosso estudo demonstrou que o fenômeno não é exclusivo de humanos; em diversas espécies de aves e mamíferos, as fêmeas preferem ambientes mais quentes do que os machos e, em certos momentos, essas preferências causam segregação entre os dois", afirma o Dr. Eran Levin, coautor do estudo.

"À luz do que descobrimos, e considerando o fato de que esse é um fenômeno geral, levantamos a hipótese de que o que estamos vendo é uma diferença entre os mecanismos sensoriais de calor dos machos e das fêmeas, que se desenvolveram ao longo do processo de evolução natural.

Essa diferença pode ser comparada às formas diferentes de sentir dor entre os sexos, afirmam os autores. Os caminhos neurais no cérebro e os hormônios podem ter uma influência nisso.

Estudos anteriores sugeriram que as mulheres sentem mais rapidamente os efeitos do ar-condicionado no escritório por causa de uma variação em sua taxa metabólica média.

Evidências ainda sugeriam que as mulheres têm mecanismos sensoriais diferentes, o que faz com que elas sintam a temperatura de forma diferente dos homens.

Um desses pássaros do amor é mais frio do que o outro. (Getty Images)
Um desses pássaros do amor é mais frio do que o outro. (Getty Images)

Os pesquisadores também trabalharam com a hipótese de que mamíferos fêmeas talvez prefiram temperaturas mais elevadas para proteger a prole ainda incapaz de regular sua temperatura corporal. O robusto estudo usou dados coletados por quase quatro décadas, e a escolha por aves e morcegos deveu-se à sua maior mobilidade, que facilita a detecção de uma separação em virtude da temperatura.

"Voltando para os humanos, a questão é que podemos dizer que essa diferença na sensação térmica [...] visa a distanciar um pouco o casal para que cada um possa desfrutar de um pouco de paz e silêncio individualmente", afirmam os autores Dr. Levin e Dra. Magory Cohen.

"Esse fenômeno também pode ser associado a fenômenos sociológicos observados em diversos animais e até em humanos, em ambientes mistos de machos e fêmeas: as fêmeas tendem a ter muito mais contato físico entre si, enquanto os machos mantêm mais distância e evitam o contato físico."

Apesar da consistência da pesquisa, podem ser apontados motivos mais simples que explicam por que as mulheres podem sentir mais frio que os homens em dias de temperatura mais baixa.

Clínico geral e autor de Managing Time In Medicine (Administrando o tempo na medicina, em tradução livre), o Dr. Ed Pooley explica: "Evidências mostram que as mulheres são mais suscetíveis a temperaturas mais baixas porque seus vasos sanguíneos tendem a se contrair mais rápido do que os dos homens para reagir ao frio.

"A consequência dessa maior velocidade de contração dos vasos sanguíneos é que as mãos e pés ficam mais gelados e as mulheres sentem frio antes dos homens em ambientes de baixa temperatura."

Hormônios e massa corporal são outros fatores que podem ser apontados.

Para a praia em julho: as mulheres sentem frio. (Foto: Getty Images)
Para a praia em julho: as mulheres sentem frio. (Foto: Getty Images)

"A hipótese que se tem é que essa variação se deve a uma combinação dos efeitos do estrogênio e das proporções relativas de tecido muscular e adiposo presentes na mulher e no homem médios", explica.

"As mulheres têm mais gordura entre os músculos e a pele. Por isso, a pele fica mais fria, enquanto a gordura protege os órgãos vitais do frio, mas aumenta a distância entre os vasos sanguíneos e os nervos sensores de temperatura dentro da pele."

Uma pesquisa do Dr. Mike Tipton, professor de fisiologia humana e aplicada da Universidade de Portsmouth, também destaca as diferenças no fluxo sanguíneo na pele de homens e mulheres.

"Em estudos que realizamos, submetemos homens e mulheres a um ambiente quente e, em seguida, resfriamos o ambiente", explica Tipton. "As mulheres mostraram uma resposta vascular muito mais sensível ao frio, o que indica que seu fluxo sanguíneo é reduzido antes, mais intensamente e por mais tempo que o dos homens.

"A razão disso é que as mulheres simplesmente são mais sensíveis a estímulos frios periféricos. O hormônio estrogênio também contribui para tornar os vasos sanguíneos mais suscetíveis ao frio."

É por isso que as mulheres sentem mais intensamente a temperatura, incluindo mudanças bruscas, e têm mãos e pés mais gelados, o que afeta toda a temperatura corporal.

Ambos são definitivamente cachorrinhos. (Getty Images)
Ambos são definitivamente cachorrinhos. (Getty Images)

"Como as mulheres têm mais gordura corporal, o que não influencia muito o abastecimento de sangue, a pele fica isolada. Então, as temperaturas na pele tendem a ser menores", explica o professor Tipton.

"A temperatura da mão e do pé é preservada pelo fluxo sanguíneo. Se o fluxo sanguíneo é muito reduzido — como acontece com as mulheres —, a temperatura da pele cai, criando uma sensação gélida nas mãos e nos pés, o que determina o nível geral de percepção do frio.

"Ou seja, mesmo que uma pessoa mantenha uma temperatura razoável na região do peito ou das costas, se tiver as mãos geladas, vai sentir frio."

Há também uma explicação evolutiva, como a Dra. Sarah Jarvis contou ao Patient.info.

"O Homo sapiens evoluiu nos trópicos, e morrer pelo excesso de calor era um risco muito maior do que sucumbir à hipotermia. Naquele tempo, os homens saíam para caçar e colher alimentos, o que era uma atividade mais 'quente', enquanto as mulheres ficavam em casa cuidando das crianças.

Ou seja, os homens precisavam de formas muito evoluídas de evitar o calor excessivo, e essa é a origem do suor. Os homens faziam mais exercícios, o que ajudava a manter uma boa temperatura corporal. As mulheres também eram menores e, por isso, tinham uma maior proporção de área de superfície em relação ao volume — e é na superfície do corpo que se perde calor."

Então, podem ligar o aquecedor, mulheres: vocês estavam certas o tempo todo e sentem, sim, mais frio do que os homens.

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos