Adultos passam um quarto de suas vidas na internet, diz estudo

Vida e Estilo International
·5 minuto de leitura
Os adultos estão passando um quarto do seu tempo online. (Getty Images)
Os adultos estão passando um quarto do seu tempo online. (Getty Images)

Com o isolamento do coronavírus nos fazendo recorrer à tecnologia para nos manter em contato com amigos e familiares, não é surpresa que o uso da Internet tenha aumentado em todo o Reino Unido. Porém, um novo estudo da Ofcom esclareceu sobre quanto do nosso tempo estamos gastando na internet agora.

Baixe o app do Yahoo Mail em menos de 1 min e receba todos os seus emails em 1 só lugar

Siga o Yahoo Vida e Estilo no Google News

A autoridade reguladora de comunicações (Ofcom) disse que seu último relatório do Online Nation, de abril - o auge do isolamento do Covid-19 no Reino Unido - descobriu que os adultos passam uma média de um pouco mais de quatro horas por dia online.

Leia também

E embora não possamos negar que já estávamos desfrutando de um tempinho a mais na internet antes mesmo do isolamento, o número está bem acima das 3,5 horas registradas em setembro do ano passado.

É provável que tenhamos visto uma mudança no tipo de serviços on-line com o qual estivemos gastando tempo, sendo que serviços de comunicação como o TikTok e o Zoom tiveram um crescimento sem precedentes, à medida que as pessoas procuravam novas maneiras de se manterem conectados.

Segundo o relatório, o número de usuários britânicos do aplicativo de compartilhamento de vídeos TikTok mais do que dobrou, passando de 5,4 milhões em janeiro para 12,9 milhões em abril.

A proporção de adultos on-line que fazem vídeo-chamadas também dobrou durante a quarentena, com 7 em cada 10 pessoas atualmente usando esses serviços, pelo menos, semanalmente.

Do trabalho remoto em casa até o ensino virtual, estamos usando mais a Internet durante o surto de coronavírus. (Getty Images)
Do trabalho remoto em casa até o ensino virtual, estamos usando mais a Internet durante o surto de coronavírus. (Getty Images)

Esse aumento foi mais notável entre os usuários mais velhos da Internet - com a proporção de pessoas com mais de 65 anos fazendo pelo menos uma vídeo-chamada por semana, saltando de 22% em fevereiro para 61% em maio.

Mas a Ofcom disse que o maior aumento foi observado na plataforma de videoconferência Zoom, que passou de 659.000 usuários no Reino Unido em janeiro para 13 milhões em abril.

A plataforma de vídeo tem sido um dos serviços mais populares em todo o mundo durante a pandemia, já que milhões procuraram maneiras de permanecer conectados enquanto trabalham e estudam em casa, além de poderem conversar com amigos e familiares.

O relatório também destacou uma mudança nos hábitos de comunicação, com as pessoas se afastando das formas tradicionais de comunicação, como chamadas de telefone fixo e mensagens SMS.

Em vez disso, plataformas como WhatsApp e o Messenger do Facebook tornaram-se mais usadas do que mensagens de texto ou o e-mail, enquanto chamadas de voz on-line em plataformas como WhatsApp agora são quase tão populares quanto ligações normais de celular.

Comentando as descobertas, Yih-Choung Teh, diretor de estratégia e pesquisa da Ofcom, disse: “O isolamento social pode deixar um legado digital à longo prazo. O coronavírus mudou radicalmente a maneira como vivemos, trabalhamos e nos comunicamos on-line, com milhões de pessoas usando serviços de vídeo on-line pela primeira vez”.

"À medida que a maneira como nos comunicamos evolui e as pessoas ampliam seus horizontes on-line, nosso papel é ajudar a garantir que as pessoas tenham uma experiência positiva e que estejam seguras e protegidas".

O que este aumento do tempo online está fazendo com a nossa saúde

Segundo o clínico geral da Babylon Health, Dr. Keith Grimes, passar mais tempo de tela tem vários impactos negativos em nossa saúde.

"Grande parte do efeito do tempo de tela vem do fato de que as pessoas não realizam mais atividades saudáveis ​​– dormem menos, se exercitam menos e comem mais", explica ele. "Vários estudos com adultos e crianças mostram uma associação entre aumento do tempo de tela e a obesidade".

Grimes diz que a luz das telas do computador e da TV contém tons azuis que interrompem a produção de melatonina no organismo.

“A melatonina é uma substância química importante para ajudar a regular os ciclos do sono. A teoria é que o tempo de tela à noite interrompe esse ciclo natural e pode resultar em insônia”.

Isso também pode afetar o nosso comportamento, concentração e humor.

O isolamento do coronavírus significou que tivemos que conduzir nossas vidas sociais de forma virtual. (Getty Images)
O isolamento do coronavírus significou que tivemos que conduzir nossas vidas sociais de forma virtual. (Getty Images)

Mas podemos adotar certas medidas que poderão ajudar a neutralizar os impactos do uso excessivo de tela.

"Se o tempo de tela está produzindo efeitos negativos, é importante fazer algumas mudanças", diz Grimes.

“Eu aconselho a evitar o uso de dispositivos uma hora antes de dormir. Faça pausas regulares e, se estiver trabalhando em casa, verifique se o seu espaço de trabalho está otimizado para reduzir a dor no pescoço e nos ombros”.

Dr. Grimes também sugere o uso das ferramentas incorporadas em celulares e tablets para reduzir a luz azul emitida durante a noite e definir limites para o tempo que você gasta com certos aplicativos ou consoles de jogos.

"Se você acha que sua ansiedade está alta, tente se afastar das redes sociais por um tempo, para diminuir essa fonte de estresse", acrescenta.

"Se você achar isso difícil ou caso tenha outras preocupações com a saúde, fale com o seu médico, que poderá ajudá-lo".

Marie Claire Dorking