Adriano Imperador veta perguntas polêmicas em entrevista sobre série documental

*Arquivo* O ex-jogador de futebol Adriano Imperador. (Foto: Rafael Andrade/Folhapress)
*Arquivo* O ex-jogador de futebol Adriano Imperador. (Foto: Rafael Andrade/Folhapress)

RIO DE JANEIRO, RJ (FOLHAPRESS) - A vida de Adriano Leite Ribeiro, 40 anos, daria um filme. E deu. Ídolo de times como o Flamengo e a Inter de Milão, ele foi convocado para a seleção brasileira pela primeira vez aos 18 anos, ficou milionário, empilhou troféus, namorou quem quis, passou a beber além da conta depois da morte do pai, entrou em depressão, fez festas de arromba e não deixou de frequentar a comunidade onde nasceu, no Rio.

Mais que isso: aposentou-se precocemente para voltar à Vila Cruzeiro, uma das áreas mais violentas da cidade. Renunciou à vida glamourosa na Europa, onde conquistou a distinção de "Imperador" para voltar à favela. Era ali, bebendo com os amigos, que dizia se sentir bem.

Ao percorrer o caminho inverso dos boleiros bem-sucedidos, intrigou seus admiradores e companheiros de profissão e viu-se diante de uma situação, no mínimo, delicada. Fotos suas fazendo o gesto de uma facção criminosa, empunhando simulacros de fuzis ou na companhia de criminosos começaram a correr o mundo. Didico, como é chamado pelos mais próximos, não via problema nisso. "São meus amigos, esse é o meu mundo", dizia.

Ter frequentado as páginas policiais e engrossado as estatísticas de vítimas de alcoolismo no Brasil fazem parte de sua história e, a julgar pelo teaser divulgado pela Paramount+ (veja abaixo), os assuntos serão abordados em "Adriano Imperador", série documental dirigida por Susanna Lira, que estreia na próxima quinta-feira (21). Mas na coletiva de imprensa marcada para dois dias antes, jornalistas estão terminantemente proibidos de abordar essas questões.

Entre as "orientações importantes" enviadas em um documento à imprensa, consta que "quaisquer perguntas relacionadas a alcoolismo e/ou questão polêmicas estão PROIBIDAS (assim mesmo, em maiúsculas e negrito) e não serão respondidas". Segundo o que a Folha de S.Paulo apurou, os assuntos que mais incomodam Adriano são, além do alcoolismo, as fotos em que aparece ao lado de criminosos armados e, sobretudo, a sua relação de extrema intimidade com a delegada carioca Adriana Belém.

Belém foi presa em maio, no Rio, durante a Operação Calígula, que apura uma rede de apoio ao jogo do bicho. Tinha quase R$ 2 milhões em espécie guardados em casa, escondidos em caixas e sacolas de grifes sofisticadas. Ela era chamada de "madrinha" por Adriano, e figura fácil nas redes sociais do ex-jogador, que apagou todas as menções a ela depois da prisão da policial.

A Folha de S.Paulo também apurou que a decisão de censurar perguntas "polêmicas" partiu da assessoria de imprensa do ex-atleta e que profissionais ligados ao canal e também a Adriano esperam "bom senso" dos jornalistas que forem formular suas perguntas, já que a definição do que é polêmico é subjetiva.

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos