Adam Driver é acusado de agredir atriz com cadeira, 'Péssima pessoa'

·2 minuto de leitura

SÃO PAULO, SP (FOLHAPRESS) - O ator Adam Driver, 37, foi acusado pela atriz portuguesa Lídia Franco, 76, de a agredir com uma cadeira durante as gravações do filme "O Homem Que Matou Dom Quixote" (2018), longa-metragem dirigido por Terry Gilliam, o qual a atriz teve um pequeno papel. "Guardo desse filme uma péssima experiência por causa do Adam Driver. Portou-se muito mal comigo, fisicamente. Agrediu-me. Não tinha nada a ver com a cena. Era uma agressão camuflada, com uma cadeira", conta Lídia que afirma que Adam é "um ótimo ator mas uma péssima pessoa". A atriz deu entrevista ao podcast "Era o Que Faltava", da Rádio Comercial de Portugal. Além de relatar a agressão, Lídia conta que as exigências que o ator fazia nos sets de gravação eram absurdas. "Ele exigia, acho que por contrato, que ninguém podia olhar para ele. Se olhassem, os figurantes eram imediatamente despedidos. E aconteceu", relevou. "Uma das coisas que ele começou por fazer em Espanha foi exigir que, nos ensaios, todos os técnicos saíssem do plateau. Ele exigia isso e continuou a fazê-lo em Portugal, mas alguns técnicos portugueses negaram-se. Dizia 'virem-se de costas', vi pelo menos um a sair do estúdio", continuou a atriz. Adam ficou conhecido por interpretar Kylo Ren, o vilão dos últimos três filmes da franquia "Star Wars" (2015-2019). Ele também já foi indicado ao Oscar por seu trabalho nos filmes "História de Um Casamento" (2019) e "Infiltrado na Klan" (2018). Até o momento, a assessoria e o ator ainda não se manifestaram quanto à acusação. Os produtores do filme e o diretor também não falaram publicamente sobre o assunto. No twitter, admiradores do trabalho do artista lamentam o acontecimento. "É quando nos questionamos como fãs em todos os aspectos".