Site abandonado pela prefeitura de SP promove sexo oral e livro de Hitler

·4 minuto de leitura
*ARQUIVO* BRASÍLIA, DF, 09.08.2016: REVITALIZAÇÃO-BACIA - O ministro da Integração, Helder Barbalho. (Foto: Alan Marques/Folhapress)
*ARQUIVO* BRASÍLIA, DF, 09.08.2016: REVITALIZAÇÃO-BACIA - O ministro da Integração, Helder Barbalho. (Foto: Alan Marques/Folhapress)

SÃO PAULO, SP (FOLHAPRESS) - Um site da Prefeitura de São Paulo tem dado espaço a ideias nazistas e supostos eventos pornográficos. Quem entrava até esta terça-feira na plataforma SPCultura, criada pela Secretaria Municipal de Cultura para fazer mapeamento e gestão cultural da cidade, era exposto a suásticas e imagens de sexo explícito.

Em nota enviada à reportagem, a prefeitura informou que o site foi “vandalizado por indivíduos não identificados”. A assessoria ressaltou ainda que a página e os servidores “jamais hospedaram qualquer conteúdo impróprio, mas foram usados como vetores de divulgação de endereços externos”.

Após a denúncia da reportagem, a Secretaria Municipal de Cultura prestou informações ao Ministério Público de São Paulo e afirmou que está “integralmente à disposição para cooperar com as autoridades de investigação”. O site foi retirado do ar após a reportagem entrar em contato.

A proposta do site, lançado em agosto de 2014, é dar espaço para que qualquer paulistano colabore com a prefeitura no levantamento de projetos e eventos em seu bairro. Além disso, o cadastro do site é usado para facilitar inscrições em editais de fomento à cultura no município, como a Lei Aldir Blanc.

Mas, em 11 de dezembro do ano passado, o registro do suposto evento “Está pesquisando por Hotmail entrar?”, na categoria "Edital", deu início a uma série de spams e anúncios falsos na plataforma.

Semelhante a fóruns como o 4chan, em que usuários podem divulgar de forma anônima imagens e textos sem qualquer censura ao conteúdo, a listagem de projetos no SPCultura chama a atenção.

Um anúncio na categoria "Exibição" divulga o livro “Minha Luta”, ou “Mein Kampf”, no original em alemão, escrito por Adolf Hitler. A obra é considerada a “Bíblia nazista”, em que o ex-chefe de Estado expressou sua ideologia e ódio ao povo judeu.

A descrição do anúncio, criado por um usuário da plataforma que se identificou apenas como Paulo, divulga uma mensagem conflitante e racista. “Livro de qualidade referente a conteúdo em prol dos movimentos LGBTs, BLM e Sinistas. Arquivos e interlúdio retentores de conhecimento, toda matéria apresentada no projeto é apenas para ampliação de seu nível intelectual. Morte aos semitas sujos.”

Um link hospedado no site da prefeitura também direciona o usuário para o livro, em formato de arquivo PDF, que pode ser baixado na íntegra.

No perfil do usuário Paulo, criado no dia 20 de julho deste ano, além do brasão nazista usado como capa e a imagem de Hitler como avatar, pode ser encontrado o número de telefone e email do cadastro —essas informações, mais um CPF válido, são requisitadas para o cadastro na plataforma.

Divulgar preconceito e ódio não era a ideia inicial do site. Criada na gestão do ex-ministro Juca Ferreira enquanto era secretário municipal de Cultura do ex-prefeito Fernando Haddad, do PT, a ferramenta colaborativa pretendia ajudar a prefeitura a mapear os eventos, projetos e iniciativas culturais em toda a cidade.

Ferreira comenta que o SPCultura também auxiliava no fomento do setor cultural da capital paulista. “Criamos esse site para ampliar a comunicação da população de São Paulo, um povo diversificado e com várias classes sociais, com territórios diversos. Então um mecanismo desse era importante para conhecer a cidade e as pessoas que vivem nela.”

O ex-secretário avalia que algumas políticas de cultura criadas pela secretaria só teriam eficácia se a população soubesse da existência dela. “Constatamos que nem todo mundo tinha informações sobre os editais, então nós criamos esse canal para que todo o setor cultural da cidade pudesse ter acesso. Essa plataforma interativa ajudava a prefeitura a saber as demandas culturais da capital. Era para nós uma via de mão dupla”, diz Ferreira.

Atualmente, o setor artístico usa a plataforma apenas para facilitar o processo de inscrição nos editais de incentivos financeiros à classe. Isso porque, para participar da Lei Aldir Blanc, é sugerido que antes o usuário faça um perfil completo no site SPCultura.

Foi com essa ideia que o ator Vini Franzolini usou a plataforma para inscrever um de seus projetos. Ele registrou o projeto “O Canto da Sereia me Chamou”, peça autoral em que ele também atua, com a expectativa de receber apoio financeiro, o que não aconteceu.

“Eu não sabia que o site estava desse jeito. É muito triste para a cultura e para a cidade de São Paulo ver ele assim abandonado”, afirma Franzolini, que, após falar com a reportagem, deletou o seu perfil da plataforma.

Outra inscrição que aparece na lista, abaixo de 306 anúncios divulgando a personagem Akari do anime japonês “YuruYuri” e de um projeto chamado “Festival de Chupar Meu Pau”, é o “Rapadura Musical”, voltado para crianças de sete a 14 anos e publicado pelo Centro de Incentivo à Arte e à Música.

Assim como Franzolini, a organização do evento usou a plataforma para divulgar o projeto, que vai até o dia 9 de setembro, e buscar recursos financeiros.

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos