"A Suspeita" trata Alzheimer com sutileza e revela Gloria Pires como exímia policial

  • Opa!
    Algo deu errado.
    Tente novamente mais tarde.
Neste artigo:
  • Opa!
    Algo deu errado.
    Tente novamente mais tarde.
Glória Pires em
Glória Pires em "A Suspeita". Foto: Divulgação/Imagem Filmes

Resumo da notícia:

  • Glória Pires estrela "A Suspeita" com atuação brilhante como policial

  • Filme aborda o Mal de Azlheimer com sutileza sem maior aprofundamento

  • Longa dirigido por Pedro Peregrino chega aos cinemas no dia 16 de junho

Não crie expectativas sobre a abordagem do Mal de Alzheimer em "A Suspeita". A condição precoce da protagonista Lúcia, vivida por Glória Pires, é mais um pano de fundo para o foco do longa: a última investigação da policial que está prestes a se aposentar. "A Suspeita" é bem diferente do indicado ao Oscar "Meu Pai", que é uma verdadeira imersão na mente de uma pessoa que convive com Alzheimer.

Dirigido por Pedro Peregrino, que vem de uma conexão profissional com Glória após quatro novelas e uma série, o filme é um drama policial que humaniza a comissária da Polícia Civil do Rio de Janeiro e espanta a ideia comum do agente superpoderoso além de qualquer ameaça externa.

Na trama, Lúcia é diagnosticada com a doença ainda muito cedo e é aconselhada a se afastar de seu emprego. No entanto, a policial se entrega com unhas e dentes ao último caso de sua carreira - em que ela e os colegas de trabalho viram suspeitos dos assassinatos e crimes em questão.

Pequenos deslizes na memória da personagem relembram o público de sua condição, mas sem aprofundar muito nesse contexto. Penso que seja o receio de embaralhar demais as informações sobre a investigação em curso no enredo.

Quando digo que o mergulho na confusão mental de Lúcia foi raso, talvez me baseie na carga emocional de alguém que conviveu com uma portadora de Alzheimer por muitos anos debaixo do mesmo teto. Para quem conhece a condição de perto, fica a vontade de ver mais reprodução do impacto da doença, que é retratada de forma bem sutil.

Artifícios

Ambientação, jogos de câmera e trilha sonora ajudam a transmitir a ideia de que a personagem está vivendo em um "labirinto" dentro da própria cabeça. O conceito foi explicado pelo diretor Pedro Peregrino ao Yahoo, ao revelar que a produção se inspirou no livro "Vivendo no Labirinto", de Diana Friel McGowin, para concretizar o que se passa na cabeça do paciente com Alzheimer.

Vale ressaltar que a atuação brilhante de Glória Pires tonifica a qualidade do longa na intenção de deixar o espectador envolvido na investigação. Não pela dúvida de quem seriam os verdadeiros criminosos, mas pelo desafio da profissional em concluir a missão.

E não se pode ignorar o detalhe de uma policial mulher no meio de um sistema ainda muito protagonizado por homens, em que a voz feminina precisa gritar mais alto e provar o dobro de como é capaz de atuar na área. Infelizmente, uma realidade ainda muito atual, assim como as artimanhas do crime organizado com a polícia. De acordo com levantamento do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) de 2020, apenas 28% do efetivo de 117 mil policiais civis no Brasil eram mulheres, por exemplo.

Além de Glória Pires no papel principal e na estreia como produtora, "A Suspeita" conta com Gustavo Machado, Genézio de Barros, Joelson Medeiros, Charles Fricks e Kizi Vaz no elenco. Com roteiro de Thiago Dottori, o filme chega aos cinemas brasileiros no próximo dia 16 de junho. Confira o trailer:

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos