A ex-governadora do Rio, Rosinha Garotinho, mudou de ofício: agora vende panetones sob encomenda

Redação Notícias
Reprodução/Facebook
Reprodução/Facebook

RESUMO DA NOTÍCIA

  • Ela transformou o apartamento da família, na zona sul do Rio, em uma grande cozinha industrial, e diz que já não consegue atender pedidos para pronta-entrega.

  • Antiga paixão, atuar como doceira, foi adotada há cerca de dois meses, desde que ela foi solta pela terceira vez; de lá para cá, já comercializou mil panetones por encomenda.

Ex-prefeita de Campos e primeira governadora eleita do Rio, em 2002, a radialista Rosângela Barros Assed Matheus de Oliveira, mais conhecida como Rosinha Garotinho, decidiu adotar a produção de panetones como seu principal ofício.

De acordo com reportagem da revista Época, Rosinha – que herdou o apelido do marido, o ex-governador Anthony Garotinho -- assumiu a antiga paixão, a atuação como doceira, há cerca de dois meses. Para tal, transformou a casa da família em uma grande cozinha industrial e, desde que foi solta pela terceira vez, já comercializou mil panetones por encomenda.

Leia também

À revista, disse estar comprando ingredientes em grande quantidade para dar conta da demanda.

"Só para você ter uma ideia, estou comprando 50 quilos de massa essa semana. Só de ovos, peço caixas com 380 de uma vez. Tudo no atacado! Começo a trabalhar 8h e não tenho hora para sair. Só estou dando conta de fazer os pedidos feitos com antecedência. Para pronta-entrega, não tenho nada!", celebra.

De acordo com a ex-governadora, ela teve que adaptar o apartamento antigo em que mora com o marido, no Flamengo, zona sul do Rio, para tocar a produção. Além de uma mesa dada por amigos que têm padaria em Campos, reduto eleitoral do casal, ganhou ainda um balcão do genro, marido da deputada federal Clarissa Garotinho (PROS), e uma assadeira de seus outros filhos.

À Época, disse que cozinhar foi sua "melhor terapia" ao deixar o Complexo de Gericinó, em Bangu, na zona oeste do Rio. Ficou lá por uma noite, no fim de outubro. Ela havia sido presa preventivamente em um processo em que é acusada, com o marido, de compor uma organização criminosa que superfaturava contratos entre a Prefeitura de Campos e a construtora Odebrecht à construção de casas populares –isso durante os dois mandatos como prefeita da cidade (2009/2016).

"Costumo dizer que aprendi a cozinhar chorando no fogão. Casei muito cedo, aos 18 anos, estudava de manhã e a tarde queimava comida, grudava comida, sofria. Mas sempre me interessei e fui pegando o jeito sozinha. Agora enfim realmente estou me dedicando a isso e tem sido maravilhoso, uma ocupação pra minha cabeça".

O empreendimento foi batizado como "Sabor e Arte". Entre seus principais itens, estão os bolos com calda de goiaba, docinhos de aniversário, além dos panetones. Ela diz que o marido, com quem está casada há 38 anos, é seu principal incentivador. "Ele toda hora vem provar alguma coisa. Curte muito meu trabalho e me estimula todo dia", conta.