• Vida e Estilo
    Folhapress

    Livro joga na cara irrealidade de maternidade perfeita

    FOLHAPRESS - Eis um livro inteiro sobre as sinapses mais assustadoras e imperdoáveis da mente. Sabe quando a gente olha para a nossa família e pensa em matar todo mundo? Claro que não. Você, pessoa normal, cônjuge equilibrada, mãe perfeita, não flerta com a psicopatia. Talvez, na análise freudiana ou bem à vontade entre amigos, lhe escape a expressão "hoje eu mato um". Você nem percebe o ato falho. É o inconsciente revelando o seu tenebroso esplendor. A narradora de "Morra, Amor" diz não amar o filho: "mamãe era feliz antes do bebê", mas se preocupa bastante em checar se ele ainda respira. Longe do rebento, apesar do alívio, é como se lhe faltasse algum membro do corpo. Tem horror ao marido, nojo, mas o provoca, excita, pede em casamento. Quando a sogra, representante máxima de uma obrigação familiar insuportável, torna-se viúva, é essa protagonista tão selvagem (desumana?) a única a entendê-la. Seriam os malucos, os indomáveis, os que não suportam os clichês banais e vazios os únicos a sentir empatia verdadeira? Escrito em 2012, esse grande romance foi a estreia da argentina Ariana Harwicz na literatura. Sua edição em inglês foi indicada ao Man Booker International em 2018. Anseio pela tradução da sequência, chamada por Ariana de "trilogia da paixão" (ou seria da maternidade, posto que é sempre sobre mães e filhos?). "La Débil Mental" (2015) e "Precoz" (2016) ainda não foram lançados no Brasil. Quem busca no hábito da leitura algumas horas de prazer ou relaxamento deve passar longe dessa obra. A narradora avisa de cara que "vive em seu corpo como quem entra numa casa invadida e tenta atravessá-la sem tocar o chão". Incomoda, machuca, choca, em alguns momentos entedia pelo uso exagerado de metáforas em devaneio, mas você não larga o livro. Dá vontade de adotar a tal criança em risco, protegê-la, amá-la. Dá vontade de adotar a tal mãe deprimida, protegê-la, amá-la. Dá vontade de ser completamente sozinha no mundo, não dividir banheiro, obrigações, gestos, caras e bocas do pertencimento e da enfadonha dança social. E é por isso, por nos sentirmos tão dentro da história --ora odiando essa mulher incapaz de maternar e de socializar entre os seus, ora nos identificando tão dolorosamente com ela-, que "Morra, Amor" é, sim, uma narrativa sobre todos nós. Você passa metade das páginas achando que a protagonista está com depressão pós-parto e que tudo vai ficar bem, mas termina percebendo que, talvez, a depressão pós-parto seja uma doença crônica que adquirimos ao nascer e que passamos a vida toda escondendo. A incapacidade de visitar amigos levando uma sobremesa que preste, de suportar o tempo perdido em uma mesa toda arrumada para celebrar alguma data festiva ("é preciso parecer entusiasmada e é preciso dar a parecer que isso é viver"), de parir sem enlouquecer, de fechar a janela próxima ao bebê que está tomando antibiótico, de se lembrar de tudo que "o menino" necessita e colocar em uma mochila. Que mãe não se reconhece e não se esforça para esconder tamanha inaptidão? Ariana Harwicz joga na nossa cara a irrealidade de uma maternidade perfeita e feliz. O que ela deseja, sem poder dizer aos outros com palavras (mas diz com o corpo se cortando entre vidros, se perdendo entre matas, se deitando como um bicho com o amante, se deixando abater pelo marido, sonhando em acalmar o bebê com gritos animais em vez de chupetas), é reencontrar o cervo que "a certa altura aparece e fica me olhando de forma selvagem, como ninguém nunca me olhou. Gostaria de abraçá-lo se fosse possível". Apesar de o romance ser o retrato excruciante de nossas vidas adultas enjauladas, me lembrou o tempo todo um poema famoso de Álvaro de Campos que li na adolescência e, já com dificuldade de definir o que é "ser humano", decorei para sempre: "[...] De sair para fora de todas as casas, de todas as lógicas, de todas as sacadas. E ir ser selvagem entre árvores e esquecimentos".

  • Graciele Lacerda revela que 'casou' com Zezé di Camargo
    Vida e Estilo
    Folhapress

    Graciele Lacerda revela que 'casou' com Zezé di Camargo

    SÃO PAULO, SP (FOLHAPRESS) - Graciele Lacerda revelou durante conversa no Instagram que oficializou a união com o cantor sertanejo Zezé di Camargo. "Decidiram se casar oficialmente?", perguntou uma seguidora. Ao que a jornalista respondeu, de maneira sucinta: "já nos casamos oficialmente". Ela explicou ainda que não mudou o sobrenome após a união.  Procurada pela reportagem, Lacerda contou que assinou o documento assim que foi morar junto com o cantor sertanejo. "Não teve evento algum, só assinamos um documento de união estável no cartório junto com o Zezé, no qual eu abro mão de tudo".

  • Maria Gadú diz que turnê que faz pela Europa será a última de sua carreira musical
    Vida e Estilo
    Folhapress

    Maria Gadú diz que turnê que faz pela Europa será a última de sua carreira musical

    SÃO PAULO, SP (FOLHAPRESS) - Maria Gadú, 32, surpreendeu os fãs ao anunciar que fará pausa na carreira. A revelação foi feita quando a apresentadora do jornal português RTP1, perguntou se a artista pretendia seguir os mesmos rumos de seus trabalhos anteriores. "Não, é a minha última turnê, eu vou parar de fazer música" , respondeu  a artista. "Eu quero fazer outras coisas, música de outros formatos. Voltar a fazer música com as pessoas, nas ruas, com os povos. Eu acho que esse formato do entretenimento coloca a arte em um pedestal de alguma forma", continuou Gadú, ao responder se pretendia fazer novas canções. A cantora está se apresentando pela Europa com a turnê "Pelle", que teve início nessa sexta-feira (15), na capital portuguesa, Lisboa, e se encerra dia 29 de novembro na cidade de Aosta, na Itália.

  • Com 'Menina Veneno', Jakson Follmann mantém liderança no Popstar; Helga Nemeczyk sobe
    Vida e Estilo
    Folhapress

    Com 'Menina Veneno', Jakson Follmann mantém liderança no Popstar; Helga Nemeczyk sobe

    SÃO PAULO, SP (FOLHAPRESS) - Gaúcho de Alecrim, Jakson Follmann, 27, arrancou elogios dos jurados no segundo programa ao vivo da terceira temporada do PopStar (Globo). Neste domingo (17), o ex-goleiro da Chapecoense cantou "Menina Veneno", clássico dos anos 1980 na voz de Zezé Di Camargo e Luciano. "Agora é o momento de me divertir, e divertir as pessoas que estão em casa", disse Follmann ao ser questionado pela apresentadora Taís Araujo se seguiria a profissão de cantor. Ele, porém, não descartou o interesse em um dia ir para a música.  "Você tem um timbre lindo. Você canta de uma maneira tão natural. Vai que é tua", disse Rosimere. "Obrigado pelo exemplo de vida que você dá para nós. Quero saber quando vai sair essa carreira", disse o cantor Daniel sobre a possibilidade de Jakson se tornar cantor. Em entrevista ao F5 antes do início da competição, Jakson Follmann disse que a música já tinha sido de extrema importância em sua recuperação. "Quando eu estava em coma, ficava muito agitado, minha esposa e meus pais contam que a música me deixava mais tranquilo. E mesmo quando acordei lembro que sempre que ficava estressado eles colocavam música e eu me acalmava." No programa deste domingo, Follmann marcou 30,86 pontos totalizando 103,48 pontos. Essa pontuação o mantém em primeiro lugar no ranking geral do PopStar. Helga Nemeczyk teve o segundo melhor desempenho da tarde ao marcar 30,71 pontos, com "Set Fire To The Rain", da cantora Adele. Com essa pontuação, a atriz chegou a 103,01 pontos e passa para a segunda colocação. No domingo passado, ela estava em quarto lugar. Na sequência vieram Robson Nunes (102,97), Totia Meireles (102,92), Eriberto Leão (102,79), Babi Xavier (102,73), Letícia Sabatella (102,71),  Yara Charry (102,60) e George Sauma (102,58).  Marcelo Serrado e Nany People ficam com 102,54 e 102,40, respectivamente. Com isso os dois se juntam a Daniel Vieira e a Claudia Ohana, que já estão na repescagem.  Além de Follmann e Nemeczyk, a franco-brasileira Yara Charry também foi um dos participantes que se destacou na tarde deste domingo (17). A atriz cantou "Coeur Vagabond" ("Coração Vagabundo"), grande sucesso de Caetano Veloso, e recebeu nota dez de todos os especialistas.  "Você foi incrível. Caetano deve estar emocionado", disse Roberto Menescal. Com o desempenho desta tarde,  Charry saiu da décima posição e foi para a oitava, escapando de ir para repescagem.  Os dez especialistas foram Péricles, Zizi Possi, Roberto Menescal, Xênia França, Samuel Rosa, Daniel, Buchecha, Emanuelle Araújo, Rosimere e Chico Barney. As notas são compostas pela somatória da votação do público (plateia + casa) e dos especialistas, além de receber um ponto a mais na nota final, caso receba sete ou mais estrelas do júri durante a apresentação -a chamada estrela bônus.  REPESCAGEM O repórter Danilo Vieira e a atriz Claudia Ohana foram os dois primeiros a irem para a repescagem do programa. No dia 10 de novembro, primeiro PopStar ao vivo, os dois terminaram nas últimas posições, com 71,19 e 71,88, respectivamente.  Vieira disse que já imaginava que precisaria passar pela repescagem, mas está preparado para enfrentar o desafio. "Eu já imaginava que ia acontecer. O que eu tenho que fazer agora? Me concentrar, escolher uma boa música, cantar bem e me movimentar. É isso!", disse o repórter ao Gshow.  Já Claudia Ohana ressaltou seus pontos fortes até a sua última apresentação. "Estou melhor no palco. Estou mais em casa, porque o palco tem isso, tem que ser a sua casa. Fiquei tão feliz que eu recebi dez. Você fica que nem criança, né? O desafio vai ser até o final!." Danilo Vieira, Claudia Ohana, Marcelo Serrado e Nany People terão suas notas zeradas e vão para repescagem no próximo domingo (24).

  • Alceu Valença se apresenta com a orquestra Ouro Preto de graça no Ibirapuera
    Vida e Estilo
    Folhapress

    Alceu Valença se apresenta com a orquestra Ouro Preto de graça no Ibirapuera

    SÃO PAULO, SP (FOLHAPRESS) - O pernambucano Alceu Valença volta hoje ao parque Ibirapuera (zona sul de SP) para mais uma vez cantar sucessos como "Dois Animais", mas com acordes completamente diferentes daqueles dados em cima de um trio elétrico no pré-Carnaval paulistano. A partir das 17h, ele estará acompanhado de cerca de 20 músicos de cordas da orquestra Ouro Preto para a segunda apresentação do projeto "Valencianas 2" --a primeira foi em Recife, no mês passado. A nova versão pega carona no bem-sucedido álbum ganhador do troféu de melhor disco de MPB no Prêmio da Música Brasileira de 2015. E repete a receita consagrada de dar outra entonação às músicas do cantor, que hoje trocará a cartola e o paletó brilhante do Carnaval pelo terno escuro pertinente às grandes salas de espetáculos.  "Vou do maracatu à música clássica", brincou Alceu. Além do "Valencianas 2", o pernambucano de 73 anos tem rodado o país com outros três shows quase simultâneos, sendo um deles o Grande Encontro, com Elba Ramalho e Geraldo Azevedo, fora Carnaval e o período de São João. "A gente tenta encaixar a agenda da orquestra com a minha, principalmente quando as apresentações são em cidades próximas", afirmou ele, que neste sábado (16) faria o show "Estação da Luz" em Barra do Piraí (RJ). A pedido do público que esgotou os ingressos na primeira fase do projeto ao longo dos últimos quatro anos, no espetáculo "Valencianas 2" foram incluídas canções clássicas que ficaram de fora do primeiro disco, como "Pelas Ruas que Andei", "Como Dois Animais", "Solidão", "Táxi Lunar" e "Na Primeira Manhã". O projeto de lançar a continuidade do "Valencianas" -- e gravar um DVD ao vivo em 20 de janeiro, no Porto, em Portugal-- ganhou forma quando Alceu e o maestro Rodrigo Toffolo se reuniram há alguns meses em Recife. "A partir daí fiz os arranjos em casa e o ensaio foi em Belo Horizonte", conta.

  • Cauã Reymond chega 'dez tons mais nervoso' e como 'turbilhão sexual' em 'Ilha de Ferro'
    Vida e Estilo
    Folhapress

    Cauã Reymond chega 'dez tons mais nervoso' e como 'turbilhão sexual' em 'Ilha de Ferro'

    SÃO PAULO, SP (FOLHAPRESS) - Nervoso, explosivo e, definitivamente, um "turbilhão sexual sem controle". É dessa forma que chega o personagem de Cauã Reymond, o Dante, na segunda e última temporada de "Ilha de Ferro", que já está disponível para assinantes no Globoplay. "Para não dar spoiler, o que garanto é que o Dante estará bem nervoso porque ele não está com a Júlia [Maria Casadevall], o irmão está preso e descobrirão o que rolou com a Leona [mulher dele, de Sophie Charlotte]. Ele estará dez tons acima do nervoso", diz Cauã, que protagoniza a série. Nesta temporada, Dante tem de lidar com a chegada de uma nova funcionária à empresa que deverá mexer com seus sentimentos. A psiquiatra Olívia (Mariana Ximenes) entra para ajudar alguns petroleiros, mas será a mente do líder da plataforma que ela vai mais mexer. A trama promete muitas explosões, brigas, romances, perseguições e embates entre os petroleiros, tanto em terra quanto em alto-mar, quando embarcados na plataforma 137 de petróleo. Dante continua a ser um mulherengo indomável. Há apenas seis personagens mulheres na série, com exceção da filha pequena do protagonista.  Das seis, Dante até o fim dos capítulos terá se envolvido sexualmente com ao menos quatro delas. "Dante retorna para a nova leva de episódios ainda mais mulherengo", diz o diretor artístico da série, Afonso Poyart. "Ele se relaciona com algumas mulheres, quase todas [risos], e a gente brinca que ele é esse turbilhão sexual sem controle. Acho que o coração dele é da Júlia, mas enquanto ela não vibra na mesma frequência que ele, Dante vai passando o rodo e criando mais confusões", diverte-se o diretor. Além de mulherengo, ele continuará se metendo em enrascadas. Júlia voltará a conviver com ele na plataforma de petróleo, e as relações vão ficar exacerbadas para o bem e para o mal. O próprio Cauã diz que não tem como defender as atitudes intempestivas do personagem. "É uma obra de ficção. Dante toma atitudes muito erradas, passou por coisas difíceis, mas isso não é justificativa. A princípio, não o defendo." ESTREANTES A nova leva de episódios traz personagens estreantes, como a médica Olívia, o vilão e presidente da Federativa de petróleo, Diogo (Eriberto Leão), e Playboy (Erom Cordeiro), um bandido impiedoso que conhece o irmão de Dante, Bruno (Klebber Toledo), na prisão. Também aparece na vida de Júlia o mergulhador de combate da Marinha Ramiro, interpretado pelo ator Romulo Estela. E será justamente Ramiro quem mais deverá chacoalhar a trama, sobretudo na parte amorosa, já que ele teria um envolvimento com Júlia, o que deve atrapalhar os planos de Dante com ela. "Depois que Ramiro se envolve com ela, ele acredita que dessa relação surgirá algo para a vida toda, a construção de uma família que ele nunca teve, já que na infância ficou em um reformatório após cometer um crime. Júlia tem essa relação instável com Dante que virá à tona. Terão muitas idas e vindas, sim, além de brigas", diz Romulo. Ambos os personagens, o dele e o de Cauã Reymond, são bem diferentes. "Ramiro é diferente de Dante, porque tem mais autocontrole. Dante é o oposto, explosivo. Existirá, sim, uma rota de colisão entre os dois", completa. Para dar vida ao papel, Estrela conta que passou algumas semanas com a Marinha para aprender detalhes do dia a dia desses profissionais. "É um personagem distinto de todos os que eu já fiz. Isso me deixou instigado. E também para apresentar esses oficiais à sociedade porque são pessoas pouco conhecidas. Eles só entram em ação quando nenhum outro oficial consegue resolver algum problema." Ao redor de tudo isso, o público poderá ver a ação de Playboy (Cordeiro), um homem que da cadeia faz amizade com o irmão de Dante, Bruno (Toledo). No decorrer da trama, o público começa a perceber que esse cara tem uma relação muito próxima com o desenrolar dos fatos. "Todo mundo está prestes a explodir, igual à plataforma de petróleo", diz o diretor.

  • Gloria Maria tem alta hospitalar após passar por cirurgia de emergência no cérebro
    Vida e Estilo
    Folhapress

    Gloria Maria tem alta hospitalar após passar por cirurgia de emergência no cérebro

    SÃO PAULO, SP (FOLHAPRESS) - A jornalista Gloria Maria teve alta hospitalar após passar por uma cirurgia no cérebro na última segunda (11), no Rio de Janeiro. Ela estava internada no Hospital Copa Star depois se sentir mal em sua casa no dia 7 de novembro.  Mãe de duas meninas, Laura e Maria, de 10 e 11 anos respectivamente, Gloria Maria deixou a unidade hospital na última quinta (14). Ela foi submetida a uma cirurgia de emergência após passar por um exame de ressonância magnética e descobrir uma lesão no cérebro.  Após a cirurgia, a jornalista ficou internada no CTI (Centro de Terapia Intensiva) e chegou a se comunicar com amigos mais próximos e familiares. Em entrevista ao site Glamurama, na terça (12), Gloria Maria afirmou: "Estive no olho do furacão, num terremoto". Os médicos que atenderam a jornalista não detalharam o procedimento nem se manifestaram para dizer exatamente o que Gloria Maria tinha. O boletim apontou apenas que "a lesão [foi] totalmente removida da região, ela passa bem".  A jornalista foi atendida pelo neurologista Paulo Niemeyer Filho. Além dele, os clínicos pneumologistas Marcelo Kalichstein e Gustavo Nobre, a clínica geral Adriane Matta, e o diretor médico Hospital Copa Star, Bruno Celoria, assinavam o boletim médico.  Gloria Maria assumiu a apresentação do Globo Repórter neste ano ao lado da jornalista Sandra Annenberg depois que Sérgio Chapelin, 78, anunciou a sua aposentadoria. No programa desta sexta (15),  Annenberg mandou um recado para a amiga. "Antes de começar o nosso programa eu quero contar a vocês que minha querida parceira Gloria Maria está muito bem, se recuperando de uma cirurgia, mas logo, logo estará de volta ao nosso Globo Repórter." A jornalista Gloria Maria está na Globo desde 1971 e foi a primeira repórter a entrar ao vivo e, em cores, no Jornal Nacional. Ela também já apresentou o Fantástico por quase dez anos e, desde 2010, integra a equipe do Globo Repórter.

  • Vida e Estilo
    Folhapress

    Programação de TV Aberta de segunda-feira

    CULTURA 05h00 Trajetórias 05h30 Telecurso 06h15 Inglês com Música 06h30 Conexão Eleitoral 07h00 Cocoricó 07h15 Peppa Pig 07h20 Carlos 07h30 Bubu e as Corujinhas 07h45 Quintal da Cultura 12h30 Boris e Rufus 12h45 Turma da Mônica 13h00 Jornal da Cultura 1ª Edição 13h45 Sésamo 14h15 Bubu e as Corujinhas 14h30 Quintal da Cultura 16h45 Turma da Mônica 17h00 World of Winx 17h30 Valentins 18h00 Eu Sou Franky 18h45 Papo de Mãe 19h15 Futurando 19h45 Cartão Verde 20h45 Metrópolis 21h15 Jornal da Cultura 22h00 Roda Viva 23h30 Campus em Ação 00h00 Territórios Culturais 00h15 Trajetórias 00h45 Mosaicos 01h45 Contos da Meia-noite 02h00 Jornal da Cultura 02h45 Saúde Brasil 03h15 Cabaret Literário 04h15 Super Família 04h30 Letra Livre SBT 06h00 Primeiro Impacto 10h30 Bom Dia & Cia 13h45 Informes Comerciais 14h15 Os Thundermans 15h00 Fofocalizando 16h00 Casos de Família 17h15 Meu Coração é Teu 18h15 Abismo de Paixão 19h45 SBT Brasil 20h25 Roda a Roda Jequiti 20h50 As Aventuras de Poliana 21h30 Cúmplices de um Resgate 22h15 Programa do Ratinho 23h45 Conexão Repórter 00h45 The Noite com Danilo Gentili 01h45 Operação Mesquita 02h30 Roda a Roda Jequiti 03h15 SBT Brasil 04h00 Primeiro Impacto GLOBO 06h00 Bom Dia Praça 08h00 Bom Dia Brasil 09h00 Mais Você 10h30 Encontro com Fátima Bernardes 12h00 Praça TV - 1ª Edição 13h00 Globo Esporte 13h25 Jornal Hoje 14h20 Se Joga 15h14 Sessão da Tarde: Uma Prova de Amor 16h47 Vale a Pena Ver de Novo: Avenida Brasil 18h01 Malhação: Toda Forma de Amar 18h32 Éramos Seis 19h15 Praça TV - 2ª Edição 19h35 Bom Sucesso 20h30 Jornal Nacional 21h18 A Dona do Pedaço 22h21 Tela Quente 00h12 Jornal da Globo 00h51 Conversa com Bial 01h38 Supergirl 02h23 Corujão 04h00 Hora Um RECORD 05h00 Balanço Geral Manhã 07h00 Balanço Geral Manhã SP 08h45 Fala Brasil 10h00 Hoje em Dia 11h45 Jornal da Record 24h 11h50 Balanço Geral 15h15 A Escrava Isaura 16h00 Caminhos do Coração 16h55 Jornal da Record 24h 17h00 Cidade Alerta 17h50 Jornal da Record 24h 17h55 Cidade Alerta 19h50 Topíssima 20h45 O Rico e Lázaro 21h30 Jornal da Record 22h30 A Fazenda 23h45 Chicago Fire 00h30 Jornal da Record 24h 00h45 Inteligência e Fé 02h00 Palavra Amiga com Bispo Edir Macedo 03h00 A Última Porta 03h30 Em Busca do Amor 04h00 Nosso Tempo 04h30 Corrente dos 70

  • Gloria Maria tem alta após cirurgia no cérebro
    Vida e Estilo
    Redação Vida e Estilo

    Gloria Maria tem alta após cirurgia no cérebro

    Apresentadora descobriu lesão depois de se sentir mal em casa e foi operada no dia 11.

  • Romance é narrado por mãe que não ama o filho e tem nojo do marido
    Vida e Estilo
    Folhapress

    Romance é narrado por mãe que não ama o filho e tem nojo do marido

    SÃO PAULO, SP (FOLHAPRESS) - Narrado por uma protagonista sem nome, que se esconde atrás dos arbustos no quintal de sua casa para espiar dentro dela, "Morra, Amor" é o romance de estreia da escritora argentina Ariana Harwicz, 42, e seu primeiro livro traduzido para o português.  Lançado em 2012 como "Matate, Amor", o romance conta a história de uma mulher estrangeira que mora no interior da França com o marido, francês, e um bebê. Para ela, o casamento, a solidão e a maternidade são ingredientes de uma bomba-relógio emocional. Ela deseja acabar com toda essa vida que a aprisiona e a bota à beira de um ataque de nervos, mas ao mesmo tempo continua fazendo seu papel de esposa e mãe. Pensa em matar pai e filho e se ressente de todas as tarefas domésticas que cumpre, da amamentação, das interações com o marido --que aceita seu comportamento cada vez mais estranho. Dona de uma libido também selvagem, a personagem trai o marido sem muita preocupação em esconder o fato. Comporta-se mal em encontros de família e sonha ter a coragem de seu vizinho, pai de sete filhos, que meteu uma bala de espingarda na cabeça em uma noite de Natal. Como a personagem, a escritora também mora no interior da França com seu marido francês, mas tem dois filhos ao invés de um. Quão autobiográfico seria o texto? "A biografia de um autor é a sua obra e não o contrário, a obra é a verdade da vida e não a vida a da obra. 'Morra, Amor' é todo verdade, não porque seja autobiográfico, mas por razões literárias", diz ela à Folha de S.Paulo. A versão em inglês do livro foi indicada ao Man Booker International em 2018. E já foi adaptado para o teatro na Argentina, na Espanha e em Israel. "Venho do cinema e da dramaturgia e acredito que a forma do livro funcione também como uma obra de teatro, por isso acho que a adaptação tenha sido fácil, o livro já apontava a obra. Trabalhei na adaptação na Argentina, fiz parte do processo criativo", diz a autora. Ela conta que recebeu uma ligação de uma produtora que quer adaptar 'Morra, Amor' para o teatro no Brasil. "Será um projeto bonito e selvagem", afirmou. Harwicz acredita que o casamento e a maternidade, da maneira como são pensados nesta época e na sociedade de consumo, podem levar homens e mulheres à loucura. "Os selos, a monogamia, a maternidade, os imperativos sociais enlouquecem. Tudo que nos obriga a renunciar à própria verdade acaba levando à loucura." Sem grandes digressões, a prosa de Harwicz é feita de frases curtas, que vão direto ao ponto. Sua protagonista conta de maneira urgente e cortante os pensamentos que passam pela sua cabeça e os atos cada vez mais violentos que começa a cometer. "A personagem está cheia de contradições, e quer e não quer viver essa vida. Sem essa luta, não haveria drama. A maternidade é um tabu porque é insuportável admitir que é possível não amar um filho, é possível inclusive desejar-lhe o mal", diz. Ela conta que o estilo rápido da narrativa não foi planejado, e aconteceu naturalmente no processo de escrita do romance. "O tom de uma escrita, a gramática que ela arma e que fabrica a música de um livro é intencional e não intencional, na medida em que não foi arbitrária, mas também não foi programada. Quando o escrevi, não estava consciente de sua velocidade. As transgressões forçaram a sua forma." "Morra, Amor" faz parte de uma trilogia involuntária sobre a paixão erótica e a maternidade, junto com os dois livros que Harwicz escreveu em seguida, "La Débil Mental" (a débil mental) e "Precoz" (precoce). Segundo Silvio Testa, diretor editorial da Instante, casa de "Morra, Amor", os títulos devem ser lançados em português nos dois próximos anos --o primeiro em 2020 e o segundo, em 2021. MORRA, AMOR Preço R$ 44,90 (140 pág.) Autor Ariana Harwicz Editora Editora Instante Tradução Francesca Angiolillo

  • Pets celebridades: conheça os bichinhos mais famosos do Instagram
    Vida e Estilo
    Redação Vida e Estilo

    Pets celebridades: conheça os bichinhos mais famosos do Instagram

    As redes sociais abrigam não apenas influenciadores humanos, mas também pets que se tornaram verdadeiras celebridades. Gatos, cachorros e até uma capivara encantam os fãs