7 programas da TV brasileira que precisam acabar urgentemente

·8 min de leitura
Carlos Massa, o Ratinho, Sikêra Jr e Patrícia Abravanel: eles lideram programas que merecem ter um fim na TV aberta (Fotos: reprodução/SBT/RedeTV)
Carlos Massa, o Ratinho, Sikêra Jr e Patrícia Abravanel: eles lideram programas que merecem ter um fim na TV aberta (Fotos: reprodução/SBT/RedeTV)

A TV aberta segue sendo um reduto de entretenimento do povo brasileiro. De acordo com dados obtidos pelo colunista Ricardo Feltrin, do Uol, no ano passado, pelo menos 80 milhões de pessoas não têm internet ou canais fechados em casa, refugiando-se somente nas programações de TV Globo, SBT, Record e Band e companhia na busca de algum entretenimento.

Essencial no país, a TV aberta ainda sofre, no entanto, com a baixa qualidade de alguns programas. Imaginando um futuro mais criativo e mais diverso no setor, apontamos abaixo sete programas que, em nossa opinião, precisam acabar urgentemente. Será que é possível sonhar com mais opções de qualidade para zapear no controle remoto?

Leia também:

1 - Programa do Ratinho

<p>Carlos Roberto Massa, mais conhecido como Ratinho, é um dos apresentadores que mais fatura no Brasil. para comandar o “Programa do Ratinho” no SBT, o apresentador ganha R$ 2 milhões mensais. Além disso, Ratinho também fatura com diversos investimentos, já que é dono de dezenas de agro negócios, empresas de comunicação de TV e rádio, concessão de emissoras, além de licenciamento de marcas e gestão de grifes. (Divulgação/ SBT) </p>
Carlos Roberto Massa, mais conhecido como Ratinho, no comando do seu programa (Divulgação/ SBT)

Um programa em franca decadência. Com péssimos índices de audiência, o Programa do Ratinho chegou a dar menos audiência que o vespertino "Triturando" e, no seu horário, perdeu de goleada para a novela Jesus e o reality Fazenda, dois grandes trunfos da RecordTV, no mês de setembro. Tentando salvar a atração, Carlos Massa teria feito a sua equipe chorar na semana passada após cobrar resultados, de acordo com informações do site TVPop. Apesar da sonoplastia do programa ainda fazer muito sucesso na internet (abaixo), a atração parece anacrônica demais para os tempos que vivemos. Pense bem: quem ainda se diverte com o teatrinho do teste de DNA em pleno ano de 2021?

2 - "Opinião no Ar" (Programa do Luís Ernesto Lacombe)

Luís Ernesto Lacombe marcou 0 ponto de audiência na RedeTV (Foto: Reprodução/Band)
Luís Ernesto Lacombe marcou 0 ponto de audiência na RedeTV (Foto: Reprodução/Band)

Um programa com índice 0,0 de audiência pode se manter no ar? A resposta naturalmente seria "não", mas o Opinião no Ar, comandando por Luís Ernesto Lacombe, resiste na grade da RedeTV, mesmo batendo todos os recordes negativos em termos de desinteresse do público. Apostando em opiniões de extrema direita do apresentador e de convidados da grife de Rodrigo Constatino, a atração serve muito mais legitimar opiniões esdrúxulas do que para levar informação ou entretenimento ao público. Faz hora extra na TV.

Baixe o app do Yahoo Mail em menos de 1 min e receba todos os seus emails em 1 só lugar

Siga o Yahoo Vida e Estilo no Google News

3 - Zigue-Zague Arena

Fernanda Gentil apresentará o 'Zig Zag Arena' (Foto: João Cotta/Globo)
Fernanda Gentil no comando do 'Zig Zag Arena' (Foto: João Cotta/Globo)

Ok, o programa tem poucas semanas de vida. Mas não deu certo. Confuso e enfadonho, o gameshow comandado por Fernanda Gentil tem tentado algumas reformulações, como convidados artistas, mas terá muita dificuldade para recuperar o público que buscou refúgio e diversão na concorrência de Celso Portiolli. Quem sabe no ano que vem, em outro horário? No domingo, a TV Globo precisa de outra aposta antes do futebol.

4 - Alerta Nacional

<h4><strong>Resumo da notícia:</strong></h4>
<ul>
<li><p><em>Sikêra Jr perdeu anunciantes e fez um "mea culpa" após discursos violentamente homofóbicos ao vivo</em></p></li>
<li><p><em>O apresentador tem um longo histórico de homofobia, transfobia e misoginia</em></p></li>
<li><p><em>Homofobia no Brasil é crime, e a prática de LGBTfobia prevê reclusão de um a três anos e pagamento de multa</em></p></li>
</ul>
<p>Mesmo após perder anunciantes e ser criticado por colegas e pelo público por sua postura radicalmente homofóbica e intolerante, <a href=

Sikêra Jr no comando do Alerta Nacional (Reprodução/RedeTV)

É inadmissível que Sikêra Jr ainda tenha espaço na RedeTV após proferir comentários homofóbicos no programa Alerta Nacional. O crime, que pode render reclusão de um a três anos e pagamento de multa aos condenados, foi percebido por inúmeras empresas, que deixaram de anunciar na atração. Ainda assim, a emissora segue usando o seu final, obtido por concessão pública, para dar espaço para que o apresentador destile preconceito e, às vezes, consiga alguma audiência, geralmente segurando o quarto lugar no início da noite. Um grande desserviço à sociedade.

5 - Vem Para Cá

<h4><strong>Resumo da notícia:</strong></h4>
<ul>
<li><p><em>Patrícia Abravanel se pronunciou a respeito da polêmica envolvendo Caio Castro e Rafa Kalimann</em></p></li>
<li><p><em>O ator e a influenciadora digital compartilharam um vídeo homofóbico de um pastor</em></p></li>
<li><p><em>Patrícia defendeu o direito do público conservador de ser "compreendido"</em></p></li>
</ul>
<p><strong>Patrícia Abravanel</strong> causou polêmica nesta terça-feira (01) ao decidir comentar <a href=

Patrícia Abravanel causa polêmica ao ironizar sigla LGBTQIA+ ao vivo (Reprodução/SBT)

Talvez você nem saiba que o SBT exibe diariamente uma revista matinal nos moldes do "Mais Você". Apresentado por Gabriel Cartolano e Patrícia Abravanel, o programa "Vem Para Cá" é uma tentativa da emissora em recuperar a audiência dos tempos dos desenhos animados (que não surtem mais efeito, infelizmente, na TV aberta). Até o momento, a atração só conseguiu atrair a atenção do público pelos motivos errados: em junho, a filha de Silvio Santos pediu maior compreensão dos gays a pessoas que ela chamou de "conservadoras" e debochou da sigla LGBTQIA+ ao vivo.

6 - The Love School

Quem já ligou a TV ao meio-dia de sábado na RecordTV se deparou com um produto... inacreditável. Trata-se do "The Love School", atração que coloca os apresentadores Renato e Cristiane Cardoso para dar conselhos amorosos para outros casais. Vendido como uma terapia gratuita, o programa funciona como mesmo uma espécie de "Fala que eu te Escuto" amoroso, mais clean, com referências religiosas bem escondidas. Quando eles inventam de fazer encenações dos casos, a situação se torna ainda mais complicada, com atores amadores declamando textos moralistas de péssima qualidade. Porém, a tristeza não para por aí. Na última semana, Renato e Cristiane decidiram criticar a letra de "Easy on Me", nova música de Adele, por supostamente incentivar novos divórcios pelo mundo (?). É difícil...

7 - Programas policiais (todos)

Foto: Reprodução/Record TV
Luiz Bacci no comando do Cidade Alerta (Foto: Reprodução/Record TV)

No Uruguai, programas policiais são proibidos de serem exibidos entre 6h e 22h. A justificativa do governo do país vizinho é que atrações nos moldes de "Brasil Urgente" e "Cidade Alerta" promovem atitudes ou condutas violentas e discriminatórias. A ideia de lei cairia muito bem no Brasil, um lugar onde, vale sempre lembrar, Luiz Bacci já teve a coragem de mostrar a reação de uma mãe ao descobrir que o filho estava morto na tela da RecordTV. 

Ouça o Pod Assistir, podcast de filmes e séries do Yahoo:

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos