7 cuidados para quem tem piercing na boca

·3 minuto de leitura
Foto: Shutterstock
Foto: Shutterstock

Independentemente de a joia estar nos lábios, na língua ou nas bochechas, quem tem um piercing na boca precisa redobrar os cuidados em relação à higienização. Isso porque a cavidade pode aumentar o acúmulo de bactérias e, consequentemente, gerar infecções. A experiência tende a ser mais positiva para quem segue algumas orientações antes e após a perfuração.

Veja mais conteúdo de saúde bucal

1. Escolha do profissional

Ao decidir fazer a perfuração na boca, o primeiro passo é encontrar bons estúdio e body piercer (profissional que realiza a aplicação de piercings). Por ser um procedimento invasivo, é importante que o local tenha boas condições de higiene e que todo o equipamento seja estéril e descartável. Isso evitará contaminação e infecções. Ir atrás de referências do lugar e do profissional são boas dicas para começar.

2. Melhor joia

A aparência não deve ser o primeiro quesito na escolha da joia. Aqui, o material é o mais importante. O ideal é optar por piercings feitos em titânio, aço cirúrgico ou ouro. As três opções costumam ser melhores aceitas pelo corpo e apresentam menos riscos de infecções. Vale destacar que, entre os materiais citados, o adereço de titânio é o mais leve e que apresenta melhor custo-benefício.

3. Processo de cicatrização

Após a perfuração, é importante respeitar o período de cicatrização. Optar por comidas frias e fáceis de mastigar, como sorvete e gelatina, pode acelerar o processo – e ainda aliviar a dor. A ingestão de álcool e alimentos ácidos, a exemplo de vinagre e ketchup, por sua vez, pode atrapalhar. De forma geral, é válido seguir as recomendações do body piercer e aguardar em torno de três meses para a perfuração estar cicatrizada, embora esse tempo varie de uma pessoa para outra.

4. Limpeza da joia

A limpeza do piercing deve ser feita cerca de três vezes ao dia – preferencialmente, após as refeições. Isso evita o acúmulo de alimentos ao redor da joia e possíveis infecções. O ideal é lavar as mãos antes do procedimento e, depois, limpar a pele em volta e o adereço com uma gaze umedecida com soro fisiológico. Assim que a perfuração estiver cicatrizada, é recomendável retirar a joia uma vez ao dia para realizar uma higienização mais completa.

5. Higiene bucal

Manter uma boa higiene bucal contribui para a adaptação adequada da peça ao corpo. O ideal é apostar em uma escova com cerdas macias para limpar dentes, língua e bochechas, bem como o piercing – é importante fazer o procedimento com cuidado para não bater na joia e machucar a região. O uso de enxaguante bucal também é bem-vindo. Sua ação antibacteriana contribui para a cicatrização nos primeiros meses e a proteção ao longo da vida. É fundamental também recorrer ao fio dental, que evita infecções locais.

6. Não mexa no piercing!

Manusear o piercing com frequência, principalmente nos primeiros dias, pode acabar machucando a região e gerar inflamações e infecções na boca. É recomendável, sim, mexer na joia para verificar as condições da perfuração – coloração, sangramentos e possíveis machucados –, mas isso deve ser feito apenas uma vez ao dia e de forma cuidadosa, com as mãos limpas.

7. O papel do dentista

Caso o usuário de piercing note alguma anomalia na perfuração, como queloide ou inflamação, além de dor aguda, o ideal é procurar imediatamente um dentista de confiança. Ele poderá fazer um diagnóstico e apontar o tratamento adequado. Vale ressaltar que, se o corpo rejeitar a joia, a remoção definitiva do adereço deve ser considerada.