6 mulheres compartilham o que aprenderam após seu primeiro ano de casamento

Ninguém quer ter um casamento ruim. Quando os casais dizem seus votos enquanto olham nos olhos do parceiro, eles imaginam uma vida de felicidade conjugal, completa, com uma oferta infinita de massagens nas costas, apoio emocional e sexo no chuveiro. Mas, como mostra a atual taxa de divórcios do Reino Unido – 42% deles acabam em divórcioo casamento nem sempre é o que se espera.

É claro que geralmente existem razões legítimas pelas quais as pessoas se divorciam, e não se deve criar nenhum estigma em torno do casamento (na verdade, o processo deveria até ser facilitado). Se você quiser reduzir o risco de divórcio, seria sensato implementar algum controle de danos. Um estudo recente de casais heterossexuais, apresentado na conferência da Associação Internacional para Pesquisa de Relacionamento (IARR), no Colorado, descobriu que as divergências conjugais prejudicam nossa saúde mental e física. Discordar de assuntos como crianças, dinheiro, sogros e atividades de lazer pode ser tão ruim para nós quanto fumar e beber, o que é uma boa e motivadora razão, tanto quanto qualquer outra, para trabalhar em seu casamento ou relacionamento de longo prazo.

A Refinery29 UK perguntou a seis mulheres o que aprenderam em seu primeiro ano de casamento, sobre como lidar com conflitos e desentendimentos. Tome nota.

FAZER UM ESFORÇO PARA resolver desentendimentos O MAIS rápido possível permite que vocês comecem bem o dia seguinte

Esther Kezia Thorpe, 26, gerente de marketing de conteúdo, podcaster e designer em Londres, casou oficialmente com seu parceiro, Mike, em abril de 2017, depois de viverem cinco anos juntos.

Ainda não tivemos nenhum desentendimento sério. Antes de casar, nós nos certificamos de que tínhamos o mesmo pensamento, nas coisas mais importantes. Temos discussões pequenas, mas sempre com bom humor. Quando fui despedida, cerca de um mês após me casar, Mike foi muito paciente e prestativo. Na época, provavelmente não foi muito fácil estar perto de mim durante algumas semanas. Eu aprecio o quão compreensivo ele foi, especialmente no início do nosso casamento.

Se algo a incomoda em seu casamento, lide com isso. Conflitos podem se tornar desproporcionais, caso você não lide com questões subjacentes, promova a comunicação e aprenda a lidar com problemas menores, de forma construtiva. Na maioria das vezes, algo acontece porque um dos dois disse ou fez algo que impactou o outro, sem perceber. Mike também é muito bom em se desculpar, o que termina com as discussões rapidamente. Eu já não sou tão boa nisso.

Meu primeiro conselho aos recém-casados é nunca ir para a cama com problemas. Nem sempre podemos resolver as coisas, mas fazer um esforço para esclarecer ressentimentos e mal-entendidos significa que você pode começar do zero no dia seguinte. Em segundo lugar, cuidado para não aumentar demais as coisas. Em um relacionamento de longo prazo, pode ser muito fácil ampliar as coisas pequenas e chatas sobre o outro, o que acaba gerando pensamentos negativos. Em vez disso, tente ampliar o que você ama no seu cônjuge. Por exemplo: “ele pode ter deixado a tampa da privada levantada outra vez, mas também cozinhou para mim essa noite e reservou tempo para escutar como foi meu dia”. Isso coloca as coisas triviais em perspectiva. Além disso, nada de celulares no quarto ou na mesa de jantar. A atenção completa ao outro, não tem preço.

NÓS CRIAMOS UMA LISTA DE TAREFAS CONJUNTAS PARA AS COISAS CHATAS DE ADULTOS, COMO COMPRAS DE ALIMENTOS E CASAS

Phoebe Grace Ede, 21 anos, trabalha em relações-públicas e mídia social, e mora no sudeste de Londres. Ela se casou com seu parceiro, Matt, em junho de 2017, depois de seis anos juntos.

Não temos tido muitos desentendimentos, mas nós brigamos bastante, pois somos ambos bem teimosos. São coisas pequenas, como gastar demais em guloseimas ou não fazer tarefas domésticas. Quando nos casamos, fizemos uma mudança, o que foi um pouco estressante e resultou em uma discussão sobre uma TV ridiculamente grande que ele comprou. Tentamos manter um orçamento e sermos honestos um com o outro sobre os gastos, para reduzir o risco de discussões.

Recentemente, criamos uma lista de tarefas conjuntas para coisas chatas de adultos, como compras de alimentos e tarefas domésticas. Dessa forma, não cabe a um de nós “notar” quando algo precisa ser feito. Nossa outra regra é que, se alguma coisa está se tornando um problema, devemos trazê-la à tona o mais rápido possível. Se você ficar guardando, vai explodir em uma enorme discussão emocional sobre algo minúsculo que poderia ter sido evitado.

Ao decidir se casar, você tem que estar disposto a se comprometer, e precisa de paciência. Todo mundo tem uma fase de lua de mel romântica e espera passar o resto de sua vida com sua alma gêmea / melhor amigo. Mas realisticamente, nenhum dos dois será 100% adorável o ano todo. Saiba escolher as suas batalhas e lembre-se de que o amor é uma escolha, e nem sempre é um sentimento confuso ou uma caixa de bombons (embora eles sejam sempre apreciados).

A principal coisa com a qual tenho lutado até agora são outras pessoas questionando nossas escolhas de vida. Muitas pessoas assumem automaticamente que nos casamos para ter filhos (nem sempre), ou que cometemos algum erro. Eles não podem aceitar que ambos queremos estar em um relacionamento com uma pessoa para o resto de nossas vidas. Eu ouço muito ‘mas você é tão jovem!’, ‘o mesmo cara, por toda a sua vida!?’ Sim, estou ciente disso. Casamento é isso, não?

TENTE NÃO INTRODUZIR QUESTÕES ANTIGAS EM QUALQUER DISCUSSÃO QUE VOCÊ ESTEJA TENDO ATUALMENTE

Rukaya Ellison, de 26 anos, coordenadora adjunta de atendimento ao cliente em Bromley, no sul de Londres, casou-se com sua namorada, Catriona Ellison, em outubro do ano passado, depois de nove anos juntas.

Nenhuma de nós é de bater de frente, e eu não gosto de guardar as coisas, então, eventualmente, vou dizer algo, se me sentir desconfortável. Mas estamos juntas há tanto tempo que às vezes você pode se perder na rotina da vida cotidiana. Você não sai em noites românticas com tanta frequência, ou ganha presentes aleatoriamente, e tentar voltar a fazer isso é difícil.

Nós não temos grandes discussões, mas tivemos um punhado de desentendimentos, principalmente sobre dinheiro e nossas contribuições para o trabalho doméstico, que costumava ser bastante unilateral. É difícil, mas eu recomendo que, ao falar sobre um desentendimento, tente não introduzir outras questões anteriores em qualquer nova discussão que você esteja tendo. Mesmo se você não concordar, tente entender o argumento da outra pessoa e tente não invalidá-la com: “É engraçado, mas lembra quando você fez X, Y ou Z?” Seja honesto com o que você sente sem ser desagradável, mesquinho ou vingativo, porque as coisas ditas num momento de raiva não podem ser retiradas.

Não sinta pressão para alcançar a próxima grande conquista e curta simplesmente estar casada. Falar sobre os próximos grandes passos é ótimo, mas as pessoas tendem a passar de “quando vocês vão noivar?” para “quando vai ser o casamento?” para “E os filhos?” muito rapidamente. Divirta-se sendo um casal, lembre-se de sair em encontro à noite e apenas se divertir estando juntos.

QUANDO AS COISAS ESQUENTAM ENTRE NÓS, NÓS ACABAMOS RINDO DISSO

Olivia Doyle, 27 anos, coordenadora de projetos em Solihull e Dubai, casou com seu parceiro, Luke, em abril de 2017, depois de cinco anos juntos.

Ainda não tivemos nenhum desentendimento sério, mas nós discutimos muito sobre coisas como dinheiro – meu vício na ASOS e o vício dele em discos – e onde comer. Eles geralmente são sobre como fomos irresponsáveis naquele mês, se deveríamos ter economizado mais para o nosso futuro, em vez de sair comprando coisas. Essas discussões são resolvidas tentando não pensar demais nas situações, pois às vezes nem são tão ruins quanto fazemos parecer, ou concordando em economizar e sermos mais responsáveis no mês seguinte, quando estamos com pouco dinheiro.

Fazemos questão de marcar algumas noites ou dias especialmente dedicados a nós. Fazemos coisas como noites de namoro em novos restaurantes que queremos experimentar, ver filmes enrolados no edredom, cozinhar juntos, noites de jogos ou ir a algum lugar. Estamos sempre sendo bobos e contando piadas. Luke, em particular, costuma soltar umas referências de Alan Partridge pelo menos uma vez por dia, o que sempre me faz rir.

Quando as coisas esquentam entre nós, acabamos rindo ou fazendo uma piada sobre isso, então nada fica sério. Tentamos nos apoiar e manter uma mentalidade positiva sobre tudo. Aprecie cada pequeno momento com o seu parceiro, não conte com o que ainda não está concretizado e tente fazer o outro rir todos os dias.

NÓS TENTAMOS NÃO FOCAR EM COSINHAS PEQUENAS E NÃO MORDER AS ISCAS

Abby Lewis-Miller, 29 anos, consultora de Relações Públicas em Londres, casou com seu parceiro, Ikenna, em setembro de 2017, depois de quatro anos juntos.

Ainda não houve nenhum momento muito ruim, mas definitivamente parece mais difícil financeiramente porque estamos tentando investir nosso dinheiro em nosso lar. Pode ser desafiador sacrificarmos umas férias para comprar móveis e tapetes, mas valerá a pena, a longo prazo.

Quando você se casa, há menos censura durante as discussões e você realmente se solta, enquanto antes você poderia ter pensado duas vezes antes de lançar insultos. Nós discutimos, mas desde que nos casamos, quase nunca é sobre coisas realmente importantes – a única discordância real que temos é sobre onde nós queremos eventualmente viver e ter filhos. Meu marido é um londrino orgulhoso, enquanto minha família e meus amigos estão em Bristol.

Para minimizar o conflito, tentamos não pensar nas pequenas coisas ou morder as iscas. Meu marido sabe exatamente o que me irrita, e eu sei bem o que o irrita, mas às vezes tenho que parar e me lembrar que ele ainda é uma pessoa incrível e realmente não importa se ele deixa suas calças no chão.

O casamento consolidou ainda mais o nosso amor, e melhora a cada dia – isso é brega, mas é verdade. Somos uma família, e a segurança do casamento fez com que nos sentíssemos mais relaxados, no bom sentido. Dito isso, meu conselho para outros casais seria: não ser complacente. Nós arranjamos tempo um para o outro, mesmo que seja apenas para assistir a uma série do Netflix juntos, ou ir à balada, ou uma noite romântica. Não subestimamos a importância da intimidade para nos manter próximos.

USAMOS ‘‘EU’’ EM VEZ DE ‘‘VOCÊ’’ AO DISCUTIR COISAS

Theresa Christine, 30 anos, escritora de viagens freelancer em Los

 Angeles, Califórnia, casou com seu parceiro, Matt, em agosto de 2017, depois de quase quatro anos juntos.

Sou muito sensível, e não poderia me casar com alguém com quem discutiria ou brigaria com regularidade – isso me esgotaria – mas às vezes discordamos sobre coisas domésticas, como por exemplo onde os pratos devem ser colocados ou como ajeitar os travesseiros. Nossas conversas mais sérias foram relacionadas aos hábitos da casa! São coisas pequenas, onde não há certo ou errado, e sim simplesmente diferente.

Priorizamos a honestidade para reduzir o risco de conflito. Nós nos relacionamos à distância por dois anos, então estávamos basicamente conectados através de chamadas telefônicas e textos, com o ocasional encontro pelo Skype. Não havia espaço para não dizer o que realmente estava em nossas mentes. Esperamos a honestidade um do outro, e nunca suprimimos emoções ou desejos para deixá-los virar algo ruim. Principalmente quando estamos frustrados um com o outro.

Nós usamos a palavra ‘eu’ quando discutimos coisas. Isso automaticamente transforma situações acusatórias de “você fez isso” em algo cru. Lembro-me de aprender essa tática de mediação na escola e pensar que era idiota, mas realmente funciona. Porque como você está falando de uma maneira tão vulnerável, raramente se transforma em uma disputa de gritos. E nunca somos orgulhosos demais para nos desculpar. É realmente difícil admitir que fiz algo errado ou que machuquei Matt, mas eu valorizo sua felicidade acima de tudo, e sei que ele sente o mesmo por mim. Então, se isso significa que eu lhe devo um pedido de desculpas, eu peço, e então tento fazer meu melhor e ser melhor.

Eu recomendaria estabelecer metas de casamento para o ano. Fizemos uma lista que incluía o que queríamos tentar, e é divertido incorporá-la em nossas vidas. Nós planejamos viajar para fora do país, para algum lugar novo, fazer drinques noturnos regulares aos domingos e usar nossa máquina de sorvete regularmente (a mais deliciosa promessa de casamento de todos os tempos). Isso nos dá a chance de trabalhar em conjunto para algo, e tudo na lista nos aproxima como casal.

Natalie Gil