5 famosos que pisaram na bola em 2019

Foto: Reprodução/Instagram (@mcgui/@henriquefogaca/@julianocazarre)

O ano de 2019 foi marcado por muitas polêmicas envolvendo famosos. Alguns foram duramente criticados nas redes sociais após serem acusados de cometer bullying, machismo ou até mesmo intolerância religiosa.

Já conhece o Instagram do Yahoo Vida e Estilo? Segue a gente!

Relembre 5 casos marcantes:

MC Gui

Foto: Reprodução/Instagram (@mcgui)

MC Gui postou um vídeo em que aparece rindo de uma menina dentro de um trem a caminho do parque Magic Kingdom durante suas férias na Disney. Após a publicação, internautas o acusaram de praticar bullying contra a criança.

Não demorou muito para famosos e anônimos usarem as redes sociais para criticar a atitude do artista. Após tamanha repercussão, MC Gui gravou um pedido de desculpas, disse que foi injustiçado e negou a prática do bullying. O esclarecimento, porém, não foi suficiente. Muitos resolveram “cancelar” Gui de uma vez por todas.

Silvio Santos

Foto: Reprodução/SBT

Silvio Santos já se envolve em polêmicas há alguns anos. Em 2019 não foi diferente. O apresentador foi duramente criticado após mostrar crianças de maiô em um desfile onde pedia para que fossem julgados atributos físicos. A atitude pegou muito mal nas redes sociais.

Antes disso, o patrão já havia chocado ao comentar (e mexer) no decote de Lívia Andrade, dizendo que ela vai com “aquela roupa” para o programa para provocá-lo. Em novembro, Silvio cometeu seu pior erro: o comunicador fez a menção nazista ‘Heil, Hitler’, saudação historicamente conhecida.

Henrique Fogaça

Foto: Reprodução/Instagram (@henriquefogaca)

Em julho, Henrique Fogaça, conhecido como jurado do ‘Masterchef’, vestiu uma camiseta com a estampa de duas mulheres, usando hábitos religiosos, dando um beijo. Mas o que revoltou muitos católicos foi que o chef de cozinha postou uma foto justamente com este look na frente do Vaticano. Ao lado dele, duas freiras apareceram no clique.

Na legenda, Fogaça escreveu: “Pedindo a bênção. ‘Orai por nós’, ‘Prega per noi’, ‘Pray for us’”. As hashtags também incomodaram os cristãos. As palavras “blasfêmia”, “o choro é livre” e “fuck hipocrisia” estavam lá. Acusado de intolerância religiosa, Fogaça apagou a publicação e divulgou um vídeo no qual apareceu pedindo desculpa aos cristãos e toda a igreja católica.

Ferrugem

Foto: Reprodução/Globo

O cantor Ferrugem gerou uma polêmica no mês de junho ao pisar na mão de um fã. A agressão aconteceu depois que o fã bateu no seu pé durante um show. Na época, as imagens repercutiram nas redes sociais e o sambista foi bastante criticado.

“Eu dei o pisão na mão dele para me defender. Ele ficou socando meu pé o tempo inteiro. Ele ficava cravando a unha entre a minha calça e a minha meia", defendeu-se Ferrugem à época. No mesmo período, o cantor foi vaiado em um show na Bahia.

"O público começou a me vaiar antes mesmo de eu subir no palco, o que eu acho uma falta de respeito muito grande. Eu merecia vaia se eu fizesse uma apresentação de péssima qualidade", justificou.

Juliano Cazarré

Foto: Reprodução/Instagram (@julianocazarre)

Juliano Cazarré virou assunto no mês de novembro após compartilhar um vídeo de uma família de gorilas liderada por um macho. Na legenda, ele disse que “a masculinidade faz do mundo um lugar mais seguro”. Seus seguidores, no entanto, desaprovaram o texto.

“A figura do homem é importante, mas não obrigatória. E o mundo não está mais seguro por causa dos homens pois o feminicídio está aí pra mostrar isso”, comentou um seguidor. “Eu substituiria ‘masculinidade’ por cuidado parental. O que você vê no vídeo é algo desempenhando tanto por fêmeas quanto machos no reino animal”, rebateu uma internauta.

Sem voltar atrás no que disse, Juliano fez outras postagens reiterando o que pensa. Ele declarou, inclusive, que está “faltando homem e sobrando moleque”.  “A gente não precisa de homem que cuide e seja provedor. Precisa de homem que faça análise e saiba que está quase em 2020 repetindo groselha de 1940”, disparou a escritora Clara Averbuck.