5 anos e uma overdose dramática depois, Demi Lovato retorna ao Brasil

Demi Lovato não vem ao Brasil desde 2016. (Foto: Divulgação)
Demi Lovato não vem ao Brasil desde 2016. (Foto: Divulgação)

Demi Lovato desembarcou no Brasil na última terça-feira (30) para iniciar uma série de shows no país. O primeiro destino foi a cidade de São Paulo. Demi se apresentou no Espaço Unimed. Depois disso, a artista segue para Belo Horizonte na quinta-feira (1), e finaliza a turnê com uma apresentação no Rock in Rio, no sábado (3).

Lovato quer mesmo ser um ícone rocker

A turnê, que começou em terras brasileiras, faz parte da divulgação do seu último projeto, o "Holy Fvck". Para compor a estética rocker, ela está acompanhada de uma banda formada apenas por mulheres, com destaque para a guitarrista Nita Strauss, que acompanhou a banda Alice Cooper por cerca de 8 anos.

No show de São Paulo, Lovato parecia estar um pouco nervosa. Ela, inclusive, precisou interromper a apresentação duas vezes para prestar ajuda para os fãs que estavam passando mal. “Eu estava muito ansiosa para este show. Obrigada por serem pacientes”, disse a artista para a plateia.

O setlist de Demi foi bastante focado em seu novo disco, mas ela não deixou de revisitar algumas músicas que marcaram sua carreira, como o single “La La Land”, que faz parte do debut da cantora.

Para suas músicas mais antigas, Lovato resolveu arriscar um arranjo rockeiro, que combinasse com a nova era. O resultado, no entanto, ficou um pouco confuso, visto que os fãs animados tentavam acompanhar a música com a sonoridade original. Lovato parece estar decidida em restabelecer sua imagem de artista como um ícone rocker, mas ela ainda tem um grande caminho pela frente.

Este conteúdo não está disponível devido às suas preferências de privacidade.
Para vê-los, atualize suas configurações aqui.

Luta contra o vício

A última passagem de Demi pelo Brasil aconteceu em 2016, e muitas coisas mudaram na vida da cantora desde então. Em 2018, ela enfrentou uma overdose dramática, que lhe deixou algumas sequelas e danos cerebrais. “Tive três derrames. Tive um ataque cardíaco. Meus médicos disseram que eu tinha mais cinco a dez minutos”, contou em um trecho do documentário “Dancing With The devil”, lançado em 2021.

Ela já havia falado sobre seus problemas com drogas antes. Demi, inclusive, contou que começou a usar cocaína quando tinha 17 anos. E mais: com 18 ela precisou entrar em uma clínica de reabilitação e foi diagnosticada com transtorno bipolar.

A luta de Lovato contra o vício serviu de inspiração para alguns trabalhos lançados por ela, como foi o álbum “Dancing With The Devil: The Art of Starting Over”, onde ela falou abertamente sobre seu processo de superação. Em seu novo trabalho, o “Holy Fuck”, a cantora apresentou uma versão mais madura aos fãs, com uma sonoridade que ela explorou apenas no início da carreira.

Este conteúdo não está disponível devido às suas preferências de privacidade.
Para vê-los, atualize suas configurações aqui.