1 / 14

Abelhas

O pior fica pro final: quando o macho está pronto para inseminar a fêmea, os testículos explodem, matando-o no processo. A ideia é evitar competição de outros rivais, já que, com a explosão, parte do pênis fica dentro da fêmea, o que impede que outro macho consiga fertilizá-la.
Foto: Reprodução/Pexels

14 rituais de acasalamento mais bizarros entre bichos

Por Fabrício Calado

“Sexo é natural, e eu acredito em seguir minha natureza”, disse a atriz Marilyn Monroe,

sobre seus hábitos amorosos. No reino animal, o sexo também é natural, mas algumas versões do ato podem parecer exóticas à nossa cultura.

Em alguns casos, o ritual que envolve o ato sexual entre bichos pode ser só engraçado, como no caso das focas e dos pinguins-azuis. Noutras situações, a cópula é praticamente tiro, porrada e bomba, como acontece entre um casal de louva-deuses.

Confira a seguir alguns dos rituais de acasalamento mais estranhos do reino animal.

O pior fica pro final: quando o macho está pronto para inseminar a fêmea, os testículos explodem, matando-o no processo. A ideia é evitar competição de outros rivais, já que, com a explosão, parte do pênis fica dentro da fêmea, o que impede que outro macho consiga fertilizá-la.
Foto: Reprodução/Pexels

Não é muito diferente do ritual de algumas sociedades humanas e boêmias: o macho exibe suas penas ornamentais e dança para a fêmea. Pelo gingado do macho, a fêmea consegue saber se ele é adequado e está com boa saúde para o acasalamento. Caso ela ache que não vai dar pé, sai andando.
Foto: Reprodução/Getty

Você sabe o que é monogamia?

Se sabe, claramente você não é um bonobo, um dos bichos mais salientes do reino animal. Eles não têm ideia do que é ter um único parceiro sexual, e mesmo o gênero não importa. Para os bonobos, o sexo é usado até mesmo como moeda de troca em uma negociação. Melhor reescrever: o sexo é usado pelos bonobos para praticamente TUDO, inclusive para dar bom dia para outro par da espécie – o que é feito se masturbando ou indo às vias de fato.
Foto: Reprodução/Getty

Do mesmo jeito que as tênias, caracóis são hermafroditas. Ao contrário delas, porém, os caramujos não disputam pra ver quem insemina quem. Em vez disso, quando se acasalam, um caramujo fertiliza o outro com uma espécie de dardo atirado no pescoço, que fornece o esperma para fertilizar os ovos do(a) parceiro(a).
Foto: Reprodução/Pexels

A variação foca-de-crista da espécie tem um ritual quase circense, ou o que Pinóquio talvez fizesse quando chegasse à adolescência: os machos inflam a membrana nasal até ela ter a aparência de uma bexiga. Ganha quem tiver o maior…nariz, já que, para as fêmeas, isso é sinal de virilidade.
Foto: Reprodução/Pexels

Aqui a preliminar chama mais atenção que o ato em si: são ao menos 15 minutos de barulhos semelhantes a um dueto musical sincronizado. Passada essa introdução, aí sim vem a relação mesmo.
Foto: Reprodução/Getty

Como quase tudo na girafa, o ritual é incomum e único da espécie. O macho esfrega as costas da fêmea com a cabeça para fazê-la urinar e, depois, bebe a substância para saber se a fêmea está no cio. Caso esteja, é hora de mandar brasa. Se não, paciência.
Foto: Reprodução/Getty

É praticamente o roteiro de Instinto Selvagem. Para que a relação sexual aconteça, o macho precisa imobilizar a fêmea. Esta, por sua vez, caso consiga se libertar, costuma arrancar a cabeça do macho, além de comê-la.
Foto: Reprodução/Getty

Também conhecido como Marlin do Procurando Nemo. Em geral, é um acasalamento comum de macho e fêmea, a menos que a fêmea morra; nesse caso, o macho muda de sexo, e acasala com o próximo peixe macho que aparecer.
Foto: Reprodução/Getty

Aqui o sistema é bruto: o macho agarra a fêmea, a ‘esfaqueia’ no abdômen para inseminá-la e pronto, acabou a relação. O corpo da fêmea evoluiu para minimizar o dano do ataque, mas é comum um percevejo tentar acasalar com outro macho do mesmo modo; nesse caso, porém, o macho pode morrer com o golpe inseminatório.
Foto: Reprodução/Pexels

É o inverso do que você esperaria de uma cópula animal: durante o acasalamento, o casal se preocupa em deixar arrumadas as penas do(a) parceiro(a). A relação sexual não para, neste caso – mas sim em outro, caso o macho decida parar para dançar(!). Mas claro, quem não faz sentido são os humanos.
Foto: Reprodução/Pexels

Sabe aqueles casais que dividem a conta do Facebook? Acontece algo parecido aqui. Quando o macho da espécie encontra uma fêmea, ele literalmente se pendura nela, que o carrega pra tudo que é canto e, eventualmente, usa o esperma dele quando quiser reproduzir. Pode acontecer de uma mulher carregar mais de um macho-banco-de-esperma, inclusive.
Foto: Reprodução/Wikipedia Commons

Tênias são hermafroditas, isto é, uma só tênia tem tanto o órgão reprodutor masculino quanto o feminino. A tênia que for inseminada, porém, vai precisar dedicar tempo e energia para o filhote; o pai vai embora atrás de outras fêmeas (que também são machos, se você acompanhou o raciocínio). Pelo papel de mãe dar mais trabalho, o acasalamento entre tênias é uma verdadeira briga de espadas, com cada lado tentando inseminar o outro primeiro.
Foto: Reprodução/Wikipedia Commons

É uma ave encontrada somente no hemisfério norte, da mesma família da galinha, do pavão e do peru. O acasalamento do tetraz-cauda-de-faisão é quase uma peregrinação: o bicho percorre quilômetros até chegar a um campo específico para tetrazes que vão se reproduzir. Você imaginaria que depois de tanta andança era só se esbaldar, mas não: o macho precisa ainda estufar o peito e emitir sons que são uma mistura de ruídos vocais com o atrito das penas do peito se esfregando. Aí sim, se a fêmea der o ok, tem jogo.
Foto: Reprodução/Wikipedia Commons