120 anos de Hitchcock: 5 filmes essenciais do mestre do suspense

Hitchcock trouxe uma nova visão para o cinema (AP Photo/Bob Dear)

Alfred Joseph Hitchcock veio ao mundo em Londres na sugestiva data de 13 de agosto de 1899. Virou o “Mestre do Suspense”, graças tanto aos filmes mudos que fez na Inglaterra quanto aos sucessos que dirigiu em Hollywood. Selecionamos alguns de seus filmes mais famosos.

Já conhece o Instagram do Yahoo Vida e Estilo? Siga a gente!

Leia também

Confira:

‘Psicose’ (1960)

Janet Leigh fez a cena icônica de 'Psicose' (Getty Images)

Marion Crane (Janet Leigh) rouba US$ 40 mil da imobiliária onde trabalha. Durante a fuga, se hospeda em um motel de beira de estrada tocado por Norman Bates (Anthony Perkins). Tensão e suspense marcam esta adaptação do romance de Robert Bloch, que se tornou o filme-referência de Hitchcock. Teve três continuações, um remake e inspirou a série ‘Bates Motel’.

Por que assistir?

Uma cena do filme (a do chuveiro) ganhar um documentário próprio (‘78/52’, referência ao número de planos e cortes da cena) dá a medida da importância de ‘Psicose’. Algumas ousadias narrativas e trilha sonora de Bernard Hermann completam o pacote.

‘Um Corpo Que Cai’ (1958)

'O Corpo Que Cai' traz uma paixão fora do comum (Foto: Reprodução/IMDb)

Em clima de sonho hipnótico, Hitchcock conta a história do detetive aposentado John "Scottie" Ferguson (James Stewart), que sofre de pavor de altura e aceita seguir Madeleine Elster (Kim Novak), esposa de um antigo colega, pelas ruas de São Francisco. O comportamento estranho da loira mexe com Ferguson, que desenvolve uma paixão obsessiva.

Por que assistir?

Relativo fracasso na época, o prestígio da obra cresceu ao longo dos anos. Tanto que em 2012 foi eleito pelo British Film Institute (BFI) o Melhor Filme de Todos os Tempos, desbancando “apenas” Cidadão Kane (1941), de Orson Welles, que liderou a lista por seis décadas.

‘Janela Indiscreta’ (1954)

De sua janela, o fotógrafo pôde ver até demais (Foto: Reprodução/IMDb/© 1954 - Paramount Pictures)

Juntar James Stewart e Grace Kelly já seria suficiente para estar na lista dos melhores Hitchcock. Mas a história do fotógrafo que após quebrar a perna vasculha a vida dos vizinhos com um binóculo e suspeita de um assassinato no prédio em frente faz da histórica parceria um mero detalhe.

Por que assistir?

Hitchcock inovou ao usar uma câmera subjetiva para reproduzir o olhar do protagonista e dar mais tensão à narrativa. A cenografia também se destaca: ela reproduz no prédio vizinho as situações construídas ao longo do filme, tornando-se praticamente uma personagem.

‘Intriga Internacional’ (1959)

A trama deixa o espectador grudado na tela (Foto: Reprodução/IMDb)

Sempre ousado, Hitchcock queria filmar uma perseguição no Monte Rushmore, monumento com rostos de presidentes americanos. Para isso, conta a história do publicitário Roger Tornhill (Cary Grant), subitamente envolvido em uma perigosa trama de espionagem repleta de reviravoltas e cenas marcantes.

Por que assistir?

Por trazer uma das melhores atuações de Cary Grant. Em uma de suas melhores cenas, Roger Tornhill fica sozinho em uma estrada deserta e, durante seis minutos, nenhuma frase é dita, em meio em uma tensão brilhantemente conduzida por Hitchcock. A cena da perseguição de um avião ao personagem em um milharal e a já citada do monte Rushmore também se destacam.

‘Os Pássaros’ (1963)

Os pássaros foram os vilões do filme que deu o que falar (Foto: Reprodução/IMDb)

Fugindo de paparazzis, a socialite Melanie Daniels (Tippi Hedren) conhece o advogado Mitch Brenner (Rod Taylor) e decide acompanhá-lo até uma pequena cidade costeira onde ele costuma passar os finais de semana. Chegando lá, pássaros começar a atacar as pessoas sem motivo aparente – gerando horror e cenas memoráveis.

Por que assistir?

Além do esforço técnico exigido pelas cenas dos ataques dos pássaros, a tensão física e psicológica criada por Hitchcock é carregada de simbolismos, com alusões ao clima político da Guerra Fria e à impotência humana diante da força da natureza.