10 Filmes LGBQTIA+ para entender a história do movimento

Junho é considerado o Mês do Orgulho LGBTQIA+, ou seja, um mês para relembrar e celebrar a luta pelos direitos das pessoas dessa comunidade. Ainda existe muita gente que não entende a importância dessa história - mas, ainda bem, podemos contar com a ajuda de Hollywood para sanar essas dúvidas.

Ao longo das décadas, o cinema levou para as telonas do mundo inteiro histórias de personagens reais que marcaram a luta pelos direitos dessa comunidade, assim como roteiros fictícios que, de forma emocionante, retratam as suas dores, dificuldades e os seus desafios. Usar esses filmes como uma forma de estudo para compreendermos a sua importância histórica é o mínimo que podemos fazer como membros de uma sociedade.

Pensando nisso, montamos uma lista de filmes LGBTQIA+ que vão ajudar você - e todo mundo! - a entender um pouco mais sobre a evolução desse movimento e o que ele conquistou desde seus primeiros relatos. São longas premiados mundo afora, com protagonistas fictícios ou inspirados em personagens reais, como explicado acima, que mostram de que forma essa comunidade era vista e de que maneira teve de se impor e propor mudanças efetivas para driblar o preconceito, a homofobia, a violência e encontrar condições dignas de vivência em sociedade.

Nos títulos que você encontra abaixo, passamos por documentários históricos que explicam a ascensão da cultura drag em Nova York, o assassinato de uma das principais representantes pela luta dos direitos LGBTQIA+ e filmes que narram a lida com a homossexualidade ao longo das décadas, as dificuldades e dores do movimento conhecido como "sair do armário", além das violências vividas pelos membros da comunidade ao redor do mundo.

É para ver, aprender e se emocionar com cada um deles!

10 Filmes LGBTQIA+ para entender a história do movimento

1."Milk - A Voz da Igualdade" (2008), Globoplay

Estrelado com Sean Penn, este filme conta a história real do ativista Harvey Milk, que lutou contra a homofobia nos Estados Unidos dos anos 1970, se tornando um dos principais símbolos do movimento após ser brutalmente assassinado em 1978. O longa, premiadíssimo, rendeu o Oscar de Melhor Ator para Penn e também de Melhor Roteiro Original para Dustin Lance Black - um dos poucos profissionais da área assumidamente gay a receber a estatueta.

2."Filadélfia" (1997), Star+

Um clássico do cinema estrelado por Tom Hanks, este é um daqueles filmes LGBTQIA+ que todo mundo precisa ver. Nele, Andrew Beckett é um advogado promissor que acaba demitido quando a informação de que ele é um portador do vírus HIV é divulgada no seu local de trabalho. Explora os preconceitos (muitos resistentes até hoje) sobre a lida com a doença e seus portadores na época.

3."Paris is Burning" (1990)

Também um clássico dentre os filmes LGBTQIA+, esse documentário é conhecido como o precursor de programas de TV como o RuPaul's Drag Race e por dar origem ao culto da cultura drag em Nova York, nos Estados Unidos. Nele, vemos retratado todo o movimento drag que explodiu na cidade estadunidense nos anos 1980, com suas danças "vogue", seus bailes e os seus sonhos, proporcionando uma faceta e uma estética que se tornaram típicas da década.

4."A Morte e a Vida de Martha P. Johnson" (2017), Netflix

Martha P. Johnson é um dos principais nomes da chamada Rebelião de Stonewall, uma série de manifestações que aconteceu no final da década de 1960, em Nova York, nos Estados Unidos, e que deu início ao que é conhecido, hoje, como o movimento LGBTQIA+. O documentário da Netflix explora a vida da ativista e também a sua misteriosa morte - em um caso que nunca foi esclarecido.

5."Divinas Divas" (2017), Netflix

Um documentário nacional que reúne os maiores nomes de toda uma geração de mulheres trans e travestis do teatro carioca, durante a ditadura, nos anos 1970. O reencontro de Rogéria, Jane Di Castro, Eloína dos Leopardos, entre outras, se reencontraram para montar um novo espetáculo além de relembrar a revolução comportamental que lideraram.

6."Orações para Bobby" (2009)

Você acha que só no Brasil se fala em "cura gay"? Pois bem, esse filme de 2009 tem esse assunto como linha-mestra da história: ele mostra uma típica mãe conservadora dos Estados Unidos que descobre que o filho é gay e, a partir daí, passa a acreditar que Deus pode curá-lo da homossexualidade - e faz o que pode para provar que isso é verdade.

7."As Horas" (2002), Apple TV

O filme que rendeu o Oscar de Melhor Atriz para a atriz Nicole Kidman, no papel da icônica escritora Virgínia Wolf, mostra três mulheres lidando com a homossexualidade de maneiras distintas em três décadas diferentes - nos anos 20, em meados de 1950 e nos dias atuais. A história explica como essas mulheres se entenderam homossexuais, suas dores e dificuldades e de que maneira todas elas se interligavam. Além disso, a linha condutora da história é um dos mais famosos livros de Virgínia, "Mrs. Dalloway".

8."Meninos não choram" (1999), Star+

O longa-metragem conta a história real do adolescente Brandon Teena, uma pessoa que nasceu com um corpo feminino, mas se identifica com o gênero masculino. Um homem transexual em uma cidade do interior dos Estados Unidos, bastante conversadora, ele lida com uma série de dificuldades e desafios. A renomada atriz Hilary Swank levou o Oscar de Melhor Atriz pelo papel principal.

9."O Jogo da Imitação" (2014), HBO Max

Alan Turing foi um personagem essencial na história da Segunda Guerra Mundial. O matemático e cientista fez tudo o que estava em seu poder para decifrar as mensagens do governo nazista na época do conflito contra a Alemanha - e não só conseguiu, como garantiu que os Aliados ganhassem o conflito mundial. No entanto, sua genialidade foi podada pela violência que o cientista sofreu ao descobrirem que ele era gay - a política britânica de "cura" para a homossexualidade e o preconceito o colocaram sob um tratamento pesado para controlar os seus impulsos sexuais. Neste filme de 2014, Benedict Cumberbatch interpreta o famoso cientista e levou para casa o Oscar de Melhor Ator pela atuação.

10."Com Amor, Simon" (2018), Star+

Você já parou para pensar como as pessoas da comunidade LGBTQIA+ precisam "sair do armário" e contar para o mundo quem e como são? Pois é, com essa premissa em mente, indicamos aqui também o filme "Com Amor, Simon". Considerado um filme teen "água com açúcar", ele mostra um processo da vida de pessoas LGBTQIA+ que se tornou importante ao mesmo tempo que imposto: as dificuldades em assumir a sua sexualidade - e até mesmo a necessidade desse assumir diante de um mundo orientado, em maior parte, pela cultura hétero. Ou você já viu por aí algum hétero do seu grupo de amigos tendo que informar que é sexualmente atraído pelo sexo oposto?