10 curiosidades (até pertubadoras) sobre o sêmen

Pixabay
Pixabay

A gíria para sêmen tá na boca do povo. Mas que p**** é essa?

1) Uma ejaculação equivale a uma colher de chá (entre 3,5 e 5 ml) e pode variar, por exemplo, de acordo com o intervalo em que o homem ejacula. Se ele transar duas vezes na mesma noite, o volume da segunda será menor que o da primeira porque o organismo precisa de um certo tempo para repor o estoque.

2) Ao longo da História, a masturbação foi condenada entre outros motivos porque acreditavam que era um desperdício irrecuperável de espermatozoides e poderia levar até à infertilidade. Os médicos ensinavam como fazer pastas de ervas para “refrescar” a região e evitar a tentação.

Pixabay
Pixabay

3) Os homens não nascem com espermatozoides. Eles começam a ser produzidos no interior dos testículos a partir da puberdade. Não é coincidência que essa “fábrica” fique pendurada entre as pernas: pra que eles se desenvolvam saudáveis, precisam de uma temperatura mais baixa do que o resto do corpo. As contrações musculares do orgasmo empurram os espermatozoides para a uretra e daí eles são cuspidos pela glande do pênis.

4) Só 10% desse “líquido do prazer” é composto por espermatozoides. Você acha pouco? Em cada ejaculada, existem cerca de 400 milhões dessas criaturinhas. Acontece que só algumas centenas conseguem nadar até as trompas pra tentar fecundar um óvulo. Muitos ficam pra trás porque são lentos, não têm cauda, não são resistentes etc.

Pixabay
Pixabay

5) No geral, os espermatozoides mais poderosos vivem entre dois e três dias dentro do corpo da mulher. Isso significa que, mesmo se ela transar ANTES da ovulação, pode engravidar. Fora do corpo, eles costumam morrer em alguns minutos – especialmente quando ficam expostos ao calor, ao frio, à água tratada (como piscina)…

6) E os outros 90% do sêmen são compostos por proteínas, frutose, vitaminas, sais minerais… Calcula-se que uma ejaculada tenha cerca de 20 calorias. E, minha gente, existe até um livro gringo que sugere incluir o ingrediente na dieta. Sério, se chama: “Colheita Natural: uma Coleção de Receitas à base de Sêmen”.

Livro traz receitas com sêmen (Reprodução)
Livro traz receitas com sêmen (Reprodução)

7) Os gourmets do sexo também vivem discutindo se alguns alimentos interferem no sabor do sêmen. Dizem que o homem deve evitar comer abacaxi e aspargos, por exemplo. Olha, não existe nenhuma comprovação científica em relação a isso. PORÉM, os cientistas garantem que lamber ou engolir sêmen não é nada bom pra saúde.

8) O fluido seminal pode conter vários tipos de vírus, como HIV e Hepatite. E, em 2017, um estudo científico revelou que ele também pode transmitir zika, ebola, meningite, rubéola… Se já é arriscado contrair uma doença sexualmente transmissível só pelo contato da boca com o genital, pior com o sêmen. Ou seja: camisinha também no sexo oral!

Pixabay
Pixabay

9) Aquela babinha, lubrificação que sai enquanto o cara está excitado, pode conter espermatozoides que “sobraram” da última ejaculação e ficaram “emperrados” no canal da uretra. Portanto, não é totalmente seguro apostar no coito interrompido – o tal do “tirar antes de gozar”.

10) Alergia ou hipersensibilidade ao sêmen não são mitos. O sistema imunológico de algumas mulheres – e de homens também – pode reagir às proteínas do fluido seminal e provocar vermelhidão, coceira e inchaço na região da pele que teve esse contato.

A curiosidade mais interessante é: Você já pensou que a sua vida surgiu graças a um jato de prazer? Duro de engolir, hein?

*Nathalia Ziemkiewicz, autora desta coluna, é jornalista pós-graduada em educação sexual e idealizadora do blog Pimentaria

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos