Ópera 'Aleijadinho' dá valor à precisão histórica e às dores do artista

  • Opa!
    Algo deu errado.
    Tente novamente mais tarde.
Neste artigo:
  • Opa!
    Algo deu errado.
    Tente novamente mais tarde.

OURO PRETO, MG (FOLHAPRESS) - Foi uma típica aglomeração humana, resultante do relaxamento das restrições da pandemia: o Largo de Coimbra, em Ouro Preto, Minas Gerais, estava completamente lotado na última sexta-feira (29) para a estreia, em praça aberta, da ópera "Aleijadinho", com música de Ernani Aguiar e texto de André Cardoso.

Nas janelas dos casarões coloniais, ao redor, pessoas também se aglomeravam para buscar uma visão privilegiada. O palco foi montado justamente em frente à Igreja de São Francisco de Assis, cujo projeto --bem como o relevo esculpido que contorna a portada-- são do próprio Antônio Francisco Lisboa (1738-1814). À esquerda posicionou-se a Orquestra Sinfônica de Minas Gerais, dirigida por Sílvio Viegas.

Na estreia ao ar livre, obviamente, vozes e instrumentos foram amplificados (com qualidade). Uma produção acústica poderá ser vista no Palácio das Artes, em Belo Horizonte, a partir de 14 de maio.

Desde "A Coroação de Poppea" (1643), de Claudio Monteverdi, nos primórdios do gênero, óperas eventualmente fazem uso de acontecimentos e personagens históricos para construir suas narrativas. Exemplos são também "Júlio César no Egito" (1724), de Handel, e, já em nossos tempos, "Nixon in China" (1987), de John Adams.

Na maior parte dos casos, no entanto, a história factual não é um fim em si: um conflito --em geral um drama pessoal ou amoroso-- serve de fio à narrativa e aquece a tensão dramática.

Construído a partir de extensa pesquisa historiográfica acadêmica, o libreto de Cardoso preza a precisão, especula sem cair em anacronismos, mas ao mesmo tempo segura um pouco a fantasia, contém o furor poético.

Com isso, a maioria das personagens não evolui na narrativa: inconfidentes como Tomás Antônio Gonzaga e Alvarenga Peixoto (interpretados respectivamente pelo tenor Guilherme Moreira e pelo barítono Pedro Vianna --vale a pena, aliás, guardar esses nomes), assim como o músico Emerico Lobo de Mesquita (barítono Lício Bruno) e Vicente Ferreira (baixo Mauro Chantal) apenas passam pela história.

O próprio Aleijadinho --em papel que parece ter sido concebido especialmente para o barítono Johnny França, em grande atuação vocal e cênica--, tem sua história contada mais "de fora para dentro"; a ópera foca no contexto histórico, na descrição das terríveis dores e limitações físicas que gradualmente enfrentou, mas pouco especula acerca de seus dilemas artísticos e sua visão de mundo.

Por outro lado, muitas citações --poéticas e sonoras-- permeiam a obra. Ernani Aguiar é um magnífico orquestrador, e domina com perfeição o artesanato da escrita vocal (é também autor de uma importante produção coral). Partindo de um lundu antigo e de trechos das "Cartas Chilenas", de Gonzaga, a ópera torna-se, aos poucos, mais fortemente autoral.

Dois momentos são especialmente impactantes: a superposição de um trecho da composição colonial brasileira "Tractus para o Sábado Santo", de Lobo de Mesquita (1746-1805), contemporâneo de Aleijadinho (e afro-brasileiro como ele), durante eloquente cena, e a forte menção aos trechos bíblicos esculpidos por Aleijadinho nos pergaminhos das estátuas dos profetas em Congonhas do Campo. Belos momentos da partitura são igualmente as contrapontísticas serestas, com sabor da nostalgia popular luso-brasileira.

Um mergulho visual nas obras de Aleijadinho, bem como a elaboração a favor de uma maior conexão da personagem com sua ancestralidade africana são frutos da impecável direção cênica de Julianna Santos e da cenografia de Renato Theobaldo.

E, embora tardio, o conflito dramático acaba surgindo no ato final da ópera, com a problemática relação triangular entre o escultor, seu filho, Manuel Francisco (interpretado pelo tenor Mar Oliveira), e sua nora, a parteira Joana (personagem da soprano Luanda Siqueira).

Livre entre o céu noturno e a história do Brasil, o público não arredou pé durante os três atos: um belo e eloquente silêncio predominou durante a maior parte do espetáculo, apenas quebrado por aplausos e pelo coro "fora, Bolsonaro" --entoado não de forma mecânica, mas como resposta ativa aos próprios eventos cênicos.

A praça ainda é do povo. E não faltam praças na cidade de Ouro Preto.

*

ALEIJADINHO

Quando: 14, 16, 18 e 20 de maio

Onde: Palácio das Artes - av. Afonso Pena, 1537 - Belo Horizonte, Minas Gerais

Preço: R$ 25 a R$ 50

Avaliação: Muito bom

O crítico viajou a Ouro Preto a convite da Fundação Clóvis Salgado

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos