Índia diz que documentário da BBC sobre premiê indiano Modi é "peça de propaganda"

Premiê indiano, Narendra Modi

NOVA DÉLHI (Reuters) - O Ministério das Relações Exteriores da Índia classificou nesta quinta-feira como "propaganda" um documentário da BBC sobre o primeiro-ministro Narendra Modi que questiona sua liderança durante os distúrbios de Gujarat em 2002.

Modi era o ministro-chefe do Estado de Gujarat, no oeste, quando o local foi dominado por distúrbios comunitários que deixaram mais de 1.000 mortos, a maioria muçulmanos. A violência começou depois que um trem que transportava peregrinos hindus pegou fogo, matando 59 pessoas.

Acusado de fracassar em conter os tumultos, Modi negou as acusações e foi exonerado em 2012 após um inquérito do Tribunal Superior da Índia. Outra petição questionando sua exoneração foi rejeitada no ano passado.

Classificando o documentário da BBC como uma "peça de propaganda" destinada a promover uma "narrativa desacreditada", o porta-voz do Ministério das Relações Exteriores, Arindam Bagchi, disse que "viés", "falta de objetividade" e "mentalidade colonial contínua" são "claramente visíveis" nele.

"Isso nos faz pensar sobre o propósito deste exercício e a agenda por trás dele, e não queremos dignificar tais esforços", afirmou ele em entrevista coletiva.

A BBC, contatada para comentar, disse que o documentário foi "pesquisado rigorosamente" e envolveu uma "ampla gama" de vozes e opiniões, incluindo respostas de pessoas do Partido Bharatiya Janata (BJP), de Modi.

"Oferecemos ao governo indiano o direito de responder às questões levantadas na série - ele se recusou a responder", disse um porta-voz da BBC.

(Reportagem de Shivam Patel e Sakshi Dayal, em Nova Délhi)