África está longe de estar pronta para vacinação em massa contra a covid, diz OMS

·1 minuto de leitura
Homem usando máscara de proteção tem a temperatura verificada na entrada da mesquita de Nizamiye, em Midrand, Joanesburgo, em 5 de junho de 2020

A Organização Mundial de Saúde (OMS) pediu nesta quinta-feira (26) aos países africanos que melhorem rapidamente sua capacidade de vacinar suas populações contra o coronavírus, alertando que o continente está "longe de estar pronto" para uma imunização em massa.

Agora que a obtenção de uma vacina parece próxima, a OMS pediu à África que intensifique seus preparativos, considerando que está apenas 33% pronta.

Esse percentual, calculado com base em dados fornecidos por 40 países do continente, é por enquanto claramente inferior à meta de 80%, segundo a entidade.

"O planejamento e a preparação serão decisivos para esse esforço sem precedentes", disse o diretor regional da OMS, Matshidiso Moeti, em uma entrevista coletiva virtual.

Ele especificou que a meta é vacinar 3% dos africanos até março de 2021 e 20% até o final do ano que vem. 

As principais carências são a falta de financiamento, de instrumentos de medição e comunicação com as populações. Para superar essas dificuldades, a "solidariedade internacional será imperativa", afirmou.

A OMS estima o custo da vacinação apenas das populações prioritárias na África em cerca de 4,8 bilhões de euros. 

Os países africanos poderão se beneficiar de parte do sistema de compra e distribuição de vacinas Covax, mas também do financiamento do Banco Mundial.

Embora a África ainda seja consideravelmente menos afetada do que a maioria dos outros continentes pela pandemia, com cerca de 50.000 mortes e 2,1 milhões de casos registrados, há surtos localizados especialmente na África do Sul e no Magrebe, destacou Moeti.

sch/sst/eg/mb/mr